Radio Calema
InicioCulturaCarência de salas cria escassez de grupos

Carência de salas cria escassez de grupos

Encenadores e actores estão preocupados com a inexistência de locais adequados

O responsável do grupo “Arte Kissonde”, Domingos Fernando Caieie, disse ontem que a falta de salas de exibição de peças está a contribuir para o desaparecimento de grupos de artes cénicas na província do Moxico, sobretudo, na cidade do Luena.
O encenador, em declarações à Angop, disse que dos 16 grupos existentes na província, apenas três exibem peças, não regularmente, devido a dificuldades de ordem financeira e espaço adequado para as artes dramáticas, “Arte Kissonde”, “Árvore que dá fruto” e “Enxame de Abelhas”.
Domingos Fernando Caieie disse que se as estruturas competentes reparassem e modernizassem as oitos salas existentes na região era um incentivo para o desenvolvimento do teatro na província.
Caieie defendeu a inclusão do teatro no currículo escolar, principalmente, nas classes iniciais como forma de criar nas crianças o gosto pelas artes cénicas.
O encenador disse que o teatro é uma maneira útil de passar a mensagem à juventude e não só e é um meio essencial para o resgate dos valores morais e cívicos.
Domingos Caieie defende também a criação de uma associação provincial de grupos ligados ao teatro e a formação dos actores dos grupos existentes na província.  Isaías João Carlos, administrador do grupo teatral “Árvore que dá fruto”, disse ser importante o contributo da direcção da Cultura no que toca à formação e criação de condições técnicas para se fazer teatro com qualidade.
Afirmou que por causa destes constrangimentos, os grupos actuam em actos em que são convidados a exibir uma peça comunitária ao invés de convencional, por acarretar mais custos. O responsável solicitou à classe empresarial e organizações filantrópicas a investirem na cultura, com a recuperação dos imóveis culturais que se encontram em abandono.

O Cine Teatro-Luena é o único local em condições aceitáveis para o efeito, mas por falta de meios financeiros os grupos não têm acesso, pois a sua recuperação foi por iniciativa privada e o Cine Ferrovia está em estado avançado de degradação.  O núcleo “Arte Kissonde”, apesar destes constrangimentos, já representou a província do Moxico por três vezes em festivais nacionais de teatro.

Fonte: Jornal de Angola

Fotografia: Paulino Damião

 

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.