Radio Calema
InicioAngolaPolíticaAngola aposta no Protocolo de Quioto para redução das alterações climáticas

Angola aposta no Protocolo de Quioto para redução das alterações climáticas

Fátima Jardim anuncia projectos industriais para reforçar a sustentabilidade do país

Angola continua a reconhecer o Protocolo de Quioto, que expira em 2012, como “o único instrumento justo e equilibrado” que permite manter a mobilização da comunidade internacional nos esforços para reduzir as alterações climáticas, garantiu em Durban a ministra do Ambiente, Fátima Jardim.
A ministra do Ambiente, que discursava na Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas, considerou “imprescindível” a transição do Protocolo de Quioto, cuja aplicação termina no próximo ano. O protocolo prevê a redução dos gases com efeito estufa no planeta.
Fátima Jardim pediu mais unidade de todos os países para garantir melhores condições de vida das gerações vindouras.
A ministra do Ambiente considera que as discussões em torno da mitigação das alterações climáticas, integração de políticas sectoriais adequadas, programas e projectos de investimento devem alcançar mais resultados na conferência, que termina hoje
Fátima Jardim afirmou que Angola sofre há cinco anos de chuvas torrenciais e catástrofes naturais que já causaram a morte de mais de 387 pessoas no país.
As consequências socioeconómicas e a reparação dos danos, disse a ministra do Ambiente, representam três por cento do Produto Interno Bruto (PIB).
A ministra do Ambiente, Fátima Jardim afirmou no seu discurso que 20 mil famílias no país ficaram sem abrigo e as inundações destruíram várias infra-estruturas sociais e milhões de hectares de colheitas nas zonas agrícolas. A ministra Fátima jardim garantiu que o país tem projectos ambientais identificados para a produção de crédito de carbono.

Estes investimentos vão garantir a produção de créditos de carbono em barragens hidroeléctricas em construção e de produção de gás natural liquefeito.
Fátima Jardim informou que o projecto de produção de créditos de carbono no país foi lançado no âmbito da execução da Estratégia Nacional para as Alterações Climáticas até 2020.
A perspectiva de Angola é, ao nível do continente africano, ser o terceiro país produtor de créditos de carbono, depois da Nigéria, em primeiro lugar, e África do Sul, em segundo. Fátima Jardim anunciou igualmente a entrada em funcionamento do parque eólico no Tômbwa, província do Namibe.

Parcerias ambientais

O Executivo, disse, continua a trabalhar para o estabelecimento de parcerias no domínio do Ambiente. E defendeu que os parceiros devem dar oportunidades para a execução de projectos relacionados com o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL), assim como projectos que permitam a redução de emissões. Os projectos de criação de zonas da biosfera, de protecção das áreas de conservação da biodiversidade e do apoio ao desenvolvimento das comunidades vulneráveis podem apoiar iniciativas transfronteiriças de protecção e preservação ambiental, particularmente da floresta do Mayombe.

Fundo Verde

Em relação ao lançamento do “Fundo Verde Climático”, que deve ajudar os países em desenvolvimento a enfrentar o impacto devastador do aquecimento do planeta, a ministra do Ambiente, Fátima Jardim, considerou-o oportuno.
A ministra do Ambiente, Fátima Jardim, considerou que as alterações climáticas são um dos maiores desafios para os países em desenvolvimento, por colocarem um impasse à sustentabilidade do planeta e ao bem-estar da população.
Defendeu ainda a adequação dos desafios climáticos à troca de experiências e transferência de tecnologias entre os países.
A conferência decorre desde terça-feira no Centro Internacional de Conferências de Durban e encerra hoje, com a aprovação de vários documentos sobre o ambiente.
A delegação angolana à Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP17), que decorre na cidade de Durban, África do Sul, é chefiada pela ministra Fátima Jardim e integra o representante permanente de Angola junto das Nações Unidas, o embaixador Ismael Martins, e técnicos do Ministério do Ambiente ligado à comissão nacional contra as alterações climáticas.

 

 

Fonte: Jornal de Angola

Fotografia: Jornal de Angola

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.