Domingo, Fevereiro 5, 2023
6.3 C
Lisboa

Escolas do ensino médio e secundário dotadas com projectos informáticos

Alunos do ensino público são os principais beneficiários do programa

As escolas públicas do ensino primário e secundário do I e II ciclo das províncias da Huíla, Benguela, Cabinda, Namibe e Huambo têm projectos avançados na concretização de projectos relacionados com as Tecnologias de Informação na Sala de Aula (TISA).
A informação foi prestada, segunda-feira ao Jornal de Angola, no Lubango, pelo administrador do grupo “Almeida Associados”, Francisco de Almeida, responsável pela aplicação dos programas.
Numa primeira fase, esclareceu, o programa existe já em duas escolas públicas de Luanda e no Lubango, com o apoio do Banco Africano de Investimentos, referindo que o projecto, iniciado em 2004, ficou posteriormente confinado à formação de professores.
Considerando positivo o resultado obtido, Francisco de Almeida sublinhou que, desde 2003, foram já formados 550 professores nas províncias da Huíla e Luanda, em matérias relacionadas com Tecnologias Aplicadas à Educação.
“Inicialmente, verificou-se que a concretização do programa nas escolas privadas decorre normalmente, porque os custos são adicionados à propina do aluno, sendo de 600 kwanzas”, esclareceu.
Depois dos contactos feitos com o Ministério da Educação, o programa foi concretizado através do patrocínio do Banco Africano de Investimentos (BAI) em determinadas escolas públicas, nomeadamente na número 3002 e 60, nas cidades de Luanda e Lubango.
“Temos contactos muito avançados nas províncias de Benguela, Cabinda, Namibe e Huambo para que mais escolas beneficiem das Tecnologias de Informação na Sala de Aula (TISA)”, reforçou.

O administrador Francisco de Almeida disse que a implementação da TISA nas escolas tem grande vantagem, porque o aluno entra mais motivado no processo de aprendizagem na sala de aula, pois o professor transmite os conhecimentos de maneira diversificada.
O suporte tecnológico é igualmente importante para o professor, que pode ser considerado, nos próximos cinco a dez anos, como pré-requisito na sua admissão.
“O professor que não tiver domínio na óptica do utilizador, talvez possa não dar aulas daqui a cinco ou mesmo 10 anos”, concluiu o responsável pela aplicação dos programas em todo o país.

 

Arão Martins |Lubango

Fonte: Jornal de Angola

Fotografia: Jornal de Angola

POSTAR COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

- Publicidade -spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Delfim Neves denuncia “caça às bruxas” em São Tomé

Delfim Neves teme pela própria vida e diz pairar em São Tomé uma sensação de "caça às bruxas". Em...

Artigos Relacionados

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
  • https://spaudio.servers.pt/8004/stream
  • Radio Calema
  • Radio Calema