Seul suspeita que Coreia do Norte vai lançar novo míssil

Durante os últimos três anos, a Coreia do Norte lançou mais mísseis do que nas três décadas anteriores. (DR)

Os serviços secretos sul-coreanos anunciaram que têm suspeitas de que a Coreia do Norte está prestes a realizar um novo lançamento de míssil. Espiões da Coreia do Sul detetaram atividade intensa nas estruturas militares norte-coreanas, poucos dias antes da visita de Donald Trump a Seoul.

Numa altura em que Pyongyang mantém o tom de desafio em direção ao ocidente, espiões sul-coreanos revelaram que é grande a atividade no país vizinho, esperando-se que nos próximos dias possa haver o lançamento de um novo míssil.

“Há a possibilidade de um novo lançamento dada a atividade de vários veículos junto do Instituto de Investigação de Mísseis de Pyongyang. O Norte vai continuar a dar força a mais testes nucleares e à monitorização e multiplicação de ogivas”, revelaram os serviços secretos sul-coreanos num briefing.

O último lançamento de um míssil norte-coreano aconteceu a 15 de setembro, tendo sobrevoado o território do Japão. Contra todas as resoluções das Nações Unidas, o regime de Kim Jong-Un continua a provocar a comunidade internacional, realizando novos testes nucleares.

Os espiões sul-coreanos não revelaram como detetaram a atividade e lembraram que a Coreia do Norte não faz segredo do seu plano nuclear e que quer atingir o território principal dos Estados Unidos, ameaçando destruir o país e uma das suas “marionetas”, a Coreia do Sul.

De acordo com fontes parlamentares, a principal cidade norte-coreana onde eram realizados testes e lançamentos, Punggye-ri, pode ter ficado destruída após o lançamento de 3 de setembro, tendo sido afetada por várias réplicas. A imprensa japonesa revela, inclusivamente, que morreram pelo menos 200 pessoas, após o colapso de um túnel.

A Coreia do Norte nega estas notícias. Seul acredita já que existem novos túneis preparados em Punggye-ri para novos lançamentos e que foi iniciada a construção de um outro.

Estas informações sobre o possível lançamento de um novo míssil surgem numa altura em que o presidente norte-americano Donald Trump está prestes a realizar uma visita a várias nações asiáticas, onde se contam a China, Japão e Coreia do Sul. A situação na península coreana deverá ser o principal tema de conversa entre as nações. (RTP)

DEIXE UMA RESPOSTA