PwC audita contas da Sonangol até 2019

Sede da Sonangol (Foto Ampe Rogério)

A empresa de auditoria e consultoria PwC passa a auditar as demonstrações financeiras individuais e consolidadas da Sonangol e suas subsidiárias, referentes aos exercícios de 2017, 2018 e 2019, na sequência do concurso público promovido pela empresa, a partir do dia 30 de Agosto.

Em comunicado, a concessionária do petróleo nacional refere que, para a contratação, a Sonangol não só salvaguardou o cumprimento de todos os trâmites legalmente previstos como lhe compete, mas optou por incluir algumas etapas adicionais de interacção directa entre as partes, no sentido de reforçar a transparência, equidade e aplicação dos princípios éticos, adequados aos padrões internacionais que, presentemente, regem a actividade da empresa.

O processo implicou a criação de uma Comissão de Avaliação Independente Multidisciplinar, constituída por elementos de áreas especialistas relevantes nomeadamente a financeira, “procurement”, jurídica, ética e técnicos especializados no objecto do concurso.

A comissão geriu de forma autónoma todas as fases do processo, desde a pré-qualificação incluindo ainda o envio de carta-convite; sessão de esclarecimento aos concorrentes com apresentação do caderno de encargos e partilha de expectativas da Sonangol, sessão de realinhamento dos trabalhos em curso com instruções prévias e abertura das propostas em sessão pública; apresentações individuais e presenciais dos termos de cada proposta por parte dos concorrentes. “Só após o cumprimento rigoroso destas etapas, a Comissão de Avaliação ficou em condições de decidir sobre as entidades que passaram à fase de negociação”, ressalta a nota.

Da fase de pré-qualificação resultou o convite para apresentação de propostas a cinco empresas, BDO, KPMG, GB- Consultores Reunidos, PwC e E&Y, das quais, apenas quatro submeteram propostas para avaliação, passando à fase de negociação, a PwC e a E&Y. De acordo com a carta-convite apenas seriam elegíveis para a fase de negociação as duas empresas que apresentassem a melhor pontuação mediante a matriz definida pela área contratante.

Na fase de negociação, que durou aproximadamente duas semanas, e em que tanto a PwC como a E&Y tiveram oportunidade de melhorar as suas propostas, a Sonangol foi informada pela Ernst & Young sobre a existência de uma potencial incompatibilidade de projectos, identificada pela sua estrutura internacional, que motivou a sua retirada do processo de negociação neste concurso. Em face disto, a Comissão de Avaliação acabou por indicar como vencedora a proposta da empresa PwC.

Esta recomendação foi submetida ao Conselho de Administração que decidiu de acordo com a proposta elaborada pelo órgão gestor, optando pela adjudicação dos serviços de Auditoria Independente às Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas da Sonangol à consultota PwC. Findo este procedimento, o resultado do concurso foi comunicado a todas as partes envolvidas. A Sonangol regista o facto de todo o processo ter decorrido num clima de confiança e parceria, com total cooperação por parte de todas as entidades envolvidas, encontrando-se disponíveis para consulta todas as peças de suporte à tomada de decisão e respectivos fundamentos sobre a mesma.

A Sonangol lançou, no dia 30 de Agosto de 2017, o Concurso Público Limitado por Prévia Qualificação para contratação de uma Entidade que vai prestar serviços de Auditoria Independente às Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas da Sonangol EP e suas subsidiárias, referentes aos exercícios de 2017, 2018 e 2019.

A Sonangol está com dificuldades de honrar com as suas obrigações económicas e financeiras relacionadas com o pagamento da quota-parte dos custos incorridos pelos grupos empreiteiros nas operações petrolíferas. Petrolífera garante trabalhar para honrar as obrigações. (Jornal de Angola)

DEIXE UMA RESPOSTA