ONU pede fim do embargo a Cuba; EUA e Israel votam contra

(Afp)

A Assembleia Geral da ONU aprovou nesta quarta-feira (1), pelo 26º ano consecutivo, uma resolução que pede o fim do embargo imposto há meio século pelos Estados Unidos contra Cuba, em uma moção que teve 191 votos favoráveis.

Na sessão desta quarta-feira com os 193 países que participaram da Assembleia, 191 se expressaram inequivocamente contra o “embargo económico, comercial e financeiro” de Washington à ilha.

A delegação americana, que no ano passado se absteve, desta vez votou novamente contra, depois que a embaixadora dos EUA na ONU, Nikky Haley, afirmou que a sessão de votação não passava de um “teatro político”.

Ao falar perante o corpo de diplomatas antes da votação, Haley disse que Washington estava disposto a seguir apoiando sua política com relação a Cuba, “embora fiquemos sozinhos”.

“A cada ano, a Assembleia Geral da ONU perde seu tempo examinando esta questão”, disse Haley, afirmando que a organização não tem nenhuma faculdade para fazer com que Washington modifique uma política que está codificada na lei.

Haley antecipou que os Estados Unidos vão manter o embargo a Cuba “enquanto o povo cubano continuar sendo privado de seus direitos”.

“O bloqueio a Cuba está codificado na lei americana e só o Congresso pode finalizá-lo”, disse.

O chanceler de Cuba, Bruno Rodríguez, foi à tribuna da ONU expressar sua “mais enérgica condenação às declarações irrespeitosas, ofensivas e ingerencistas” de Haley.

Rodríguez disse que só no último ano o impacto económico do embargo a Cuba foi estimado em 4,305 bilhões de dólares, “o dobro do investimento estrangeiro direto de que o país necessita para que a economia possa avançar para o desenvolvimento”.

De acordo com o chanceler cubano, “não há uma cubana, nem serviço social em Cuba que não sofra privações e consequências do bloqueio”, imposto pelo presidente John F. Kennedy à ilha em 1962.

Durante o debate, a delegação da Rússia lamentou o “retrocesso evidente” nas relações entre Washington e Havana depois do início de uma reaproximação há três anos. (Afp)

DEIXE UMA RESPOSTA