Moxico: População incentivada a preservar independência e suas conquistas

Moxico: População incentivada a preservar independência e suas conquistas (FOTO: DAVID DIAS)

O chefe de Estado Maior da Região Militar Leste (RML) das Forças Armadas Angolanas (FAA)), brigadeiro António Jorge dos Santos ”Tojó” incentivou sexta-feira, no Luena, a população a preservar a independência, soberania, as conquistas e a paz.

Desertando “A dimensão histórica do 11 de Novembro de 1975 e a contribuição da província do Moxico na conquista da independência”, a palestra que marcou a abertura das festividades do 11 de Novembro, Dia da Independência de Angola, reiterou que a soberania do país e o desenvolvimento alcançado deve ser preservado com dedicação e determinação.

Considerou a Independência um acontecimento invulgar na história da nação, por traduzir o culminar de um período de exploração e opressão arquitectadas por uma “entidade política estrangeira”, razão pela qual, o 11 de Novembro representou o culminar de um longo período de exploração estrangeira e início de uma nova era nas relações com outros países do mundo, assentes em princípios universais de respeito, igualdade e justiça.

“Pelo país, muito está a ser feito, se tivermos em conta a reconstrução de várias infraestruturas sociais, tais como, hospitais, estradas, caminhos-de-ferro, aeroportos, pontes, expansão do ensino superior em todo país, cujo benefícios são visíveis por todos”, disse.

O oficial superior das FAA acredita, por outro lado, que os angolanos sob a direcção do Presidente da República, João Lourenço, multiplicarão esforço dedicando-se ao combate a corrupção, fortalecimento do Estado democrática e de direito, diversificação da economia, melhoria das condições de vida da população, entre outras acções.

A propósito, os estudantes do ensino superior, ouvidos pela Angop, elogiaram os ganhos conquistados com o alcance da independência nacional, traduzidos na construção e reabilitação de inúmeras infraestruturas sócio-económicas no país, como sublinhou a estudante finalista do curso de Geografia da escola superior politécnica do Moxico, Rosalina Ihanjica Jonas.

Para Óscar Job, estudante do I ano de computação, este feito possibilitou aos angolanos serem verdadeiros donos do seu próprio destino, graças o empenho, abnegação e espirito patriótico do primeiro Presidente de Angola, António Agostinho Neto.

Já Benedita João Dinis, estudante do 3º ano de Matemática, explicou que o 11 de Novembro trouxe muitas vantagens e um conjunto de mudanças que consequentemente catapultaram o crescimento social e económico de Angola.

Rosa Chipango, igualmente estudante do 3º ano de Matemática, reconheceu que a assistência médica e medicamentosa à população é um facto mais abrangente, apesar de haver ainda algumas restrições no meio rural, aliada a insuficiência de médicos e enfermeiros. (Angop)

DEIXE UMA RESPOSTA