Malanje: Professores recomendam conclusão da escola de ensino especial

Vista parcial da cidade de Malanje (Foto: Pedro Parente)

Os participantes ao II fórum provincial da educação recomendaram quarta-feira, nesta cidade, ao governo local, a envidar esforços para a rápida conclusão da escola do ensino especial, por formas a acomodar às crianças com necessidade educativas especiais a partir do próximo ano lectivo.

O fórum recomendou às direcções municipais da educação e de escolas, a terem em sua posse os normativos e dispositivos legais para melhor orientarem-se no funcionamento das instituições escolares, bem como a prestarem maior atenção na selecção dos técnicos a serem propostos para desempenharem as funções de pontos focais de inspecção à nível dos municípios.

Às direcções municipais foram aconselhadas a revitalizarem as zonas de influência pedagógica (Zip) nas escolas em que não abrangem o programa de aprendizagem para todos, assim como os participantes concluíram que a monodocência, não deve ser vista como o principal problema da reforma, pois os primeiros frutos da mesma só agora estão a ingressar nas Universidades.

Os gestores escolares foram recomendados a monitorar a aplicação das avaliações, de modo a que as mesmas reflitam as habilidades desenvolvidas e a envidarem esforços para a implementação consciente das normas, com as quais vão melhorar o cumprimento das suas atribuições, a saber planejar, fazer, verificar e agir.

O encontro concluiu igualmente que a Inspecção da educação e a supervisão escolar têm contribuído para a consolidação a melhoria da qualidade do ensino, errando apenas na extensão dos serviços às comunas.

O II Fórum Provincial da Educação decorreu sob o lema “Por uma educação de qualidade, lideremos orientados a resultados” e durante a qual foram debatidos temas relacionados com a gestão escolar e liderança nas instituições de ensino, motivação no trabalho, gestão e manutenção das escolas e o processo de ensino e aprendizagem, reforma escolar, entre outros.

Participaram do evento, membros do governo, directores e subdiretores de algumas escolas da província, administradores municipais adjuntos, professores e convidados. (Angop)

DEIXE UMA RESPOSTA