Lançada campanha nacional de consciencialização e educação rodoviária

PRESIDIUM DO LANÇAMENTO DA CAMPANHA NACIONAL DE CONSCIENCIALIZAÇÃO E EDUCAÇÃO RODOVIÁRIA (FOTO: PEDRO PARENTE)

O Executivo angolano lançou nesta sexta-feira, em Luanda, uma campanha nacional de consciencialização e educação rodoviária, visando reduzir a sinistralidade nas estradas e de divulgação do novo regulamento de sobre a sinalização do trânsito harmonizado as normas da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC).

O Vice-presidente da República, Bornito de Sousa, testemunhou a cerimónia de lançamento da campanha na presença de vários ministros, representantes da polícia nacional, das empresas de construção de obras públicas e jornalistas.

A campanha de consciencialização é dirigida a peões, condutores, operadores de transportes e logística, reguladores de trânsito escolas de condução, construtores, projectistas e fiscais para evitar mortes nas estradas.

Segundo o ministro da Construção, Manuel Tavares de Almeida, a aprovação do novo regulamento sobre a sinalização do transito, adequado as normas rodoviária da SADC pode assumir-se como peça importante que no conjugo vão conformar a política nacional de prevenção da rodoviária harmonizada as boas práticas padronizadas ao nível da região, embora encerrando especificidades próprias de cada país.

Espera que as vias rodoviárias contribuam para o enchimento dos cemitérios e assumam papel de promotor do desenvolvimento, facilitadoras da unidade e da consolidação da identidade nacional, da coesão familiar garantindo a segurança e o conforto dos seus utilizadores.

Considera ainda essencial a mudança de atitude e comportamento de muitos utentes das vias rodoviárias, enquanto detentores de meios rolantes e de circulação em relação aos peões e passageiros, constituindo a todo o instante uma ameaça a vida humana.

Pede a crescente tomada de consciência e de responsabilidade na condução deve ser motivada e que a condição de condutor deve estar associada a grau mínimo de escolaridade e rigor na preparação dos motoristas e na atribuição de cartas de condução.
Acha que a educação rodoviária deve começar nas escolas primárias para que as crianças aprendam a cuidar da sua própria vida e a valorizar a do próximo.

O ministro defendeu ainda investimentos na construção de boas estradas, a sua permanente manutenção e conservação com vista evitar acidentes de viação e proteger a vida humana.

Salientou que o reconhecido de que a sinistralidade rodoviária tem sido uma das principais causas de mortalidade, superada apenas pela malária, obriga a atitudes para reduzir acidentes rodoviários causados na maior dos casos por imprudência, desrespeito as normas de trânsito, embriagues e excesso de velocidade, com grande incidência nos condutores de idade mais jovens.

Falou também do mau estado de muitas viaturas em circulação sem condições de segurança, a alta velocidade, transportando pessoas e bens, ao mesmo tempo de sugere infra-estruturas aproximadas aos padrões rodoviários da SADC, como parte do processo de integração e harmonização regional, contribuindo para a segurança e conforto nas estradas e para estimular o desenvolvimento.

Manuel Tavares considera necessário o planeamento de uma malha rodoviária nacional de auto-estradas com saídas para estradas nacionais e para as localidades, bem como regimes contratuais atractivos para os investidores e que possam trazer benefícios à população e contribuir para o crescimento do país.

Sublinhou que se deverá proporcionar um ambiente rodoviário seguro através de velocidades de circulação controladas, mais segurança para os peões, combate a condução sobre efeito do álcool e drogas, melhora a utilização dos dispositivos de segurança, combate a fadiga na condução e melhor a assistência às vítimas de acidentes.

A versão adequada e harmonizada às normas rodoviárias da SADC foram aprovadas em decreto Presidencial de 25 de Setembro deste ano. (Angop)

DEIXE UMA RESPOSTA