Donald Trump quer pena de morte para atacante de Manhattan

Donald Trump (DR)

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, defendeu na noite de quarta-feira que o atacante que, na véspera, causou a morte a oito pessoas em Manhattan, em Nova Iorque, deveria ser condenado à pena de morte.

“O terrorista de NYC [Nova Iorque] estava contente, [dado que] pediu para que a bandeira do ISIS [Estado Islâmico] fosse pendurada no seu quarto no hospital. Ele matou oito pessoas e feriu gravemente 12. Deve ser condenado à pena de morte!”, escreveu Donald Trump no Twitter.

O presumível autor do ataque, Sayfullo Saipov, de 29 anos, natural do Uzbequistão, que investiu a carrinha contra quem passava numa ciclovia movimentada em Manhattan, foi formalmente acusado na quarta-feira de terrorismo.

O Presidente dos Estados Unidos tinha já admitido enviar o “animal” — como o descreveu — para a prisão de Guantánamo.

“Com certeza que vou considerar isso. Enviá-lo para Gitmo”, disse, numa conferência de imprensa, usando o diminutivo atribuído à base militar norte-americana situada em Cuba que o anterior Presidente Barack Obama prometeu fechar, mas não fez.

Sayfullo Saipov, que chegou aos Estados Unidos em 2010, tem carta de condução da Flórida e residência em Nova Jérsia. Segundo o jornal New York Times, trabalhava como motorista da Uber e já estaria no radar da polícia norte-americana.

Sayfullo Saipov reconheceu ser o autor de uma mensagem escrita em árabe que fazia referência ao autoproclamado Estado Islâmico, encontrada, a par com uma bandeira do grupo extremista, junto da carrinha utilizada no ataque ocorrido perto do memorial do World Trade Center, durante o interrogatório no hospital, para onde foi levado depois de ter sido baleado.

Formalmente acusado de apoio a uma organização terrorista e de destruição de veículos levando à morte de pessoas, arrisca prisão perpétua se for condenado.

Apesar de o estado de Nova Iorque não prever a pena capital, tendo a prisão perpétua como pena máxima, Saipov pode ser condenado à morte num julgamento federal por terrorismo.

Dzhokhar Tsarnaev, um dos terroristas que perpetraram, em 2013, um atentado contra a maratona de Boston, foi condenado à pena capital, numa sentença possível ao abrigo da lei federal e que gerou inclusive alguma controvérsia no estado de Massachusetts, que aboliu a pena capital em 1947.

O ataque de terça-feira foi o primeiro em Nova Iorque com registo de mortes desde os atentados contra o World Trade Center em 11 de setembro de 2001. (Observador)

por Lusa

DEIXE UMA RESPOSTA