Camarões: País com mais casos de violência sexual

(Afp)

Nos Camarões, uma em cada seis adolescentes foi forçada a praticar sexo, segundo o mais recente relatório da UNICEF. A média de abusos também é alta no Uganda, na Guiné Equatorial e na República Democrática do Congo.

Pelo menos 15 milhões de meninas em todo o mundo foram forçadas a ter relações sexuais. Muitas vezes, os agressores foram parceiros, parentes ou amigos, revela um relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) agora divulgado.

O estudo da UNICEF, que analisou dados de mais de 40 países, também revela casos de abusos sexuais contra meninas menores de idade em países europeus. “Os dados disponíveis indicam claramente que certos países em África são mais afetados. Mas também é verdade que a violência contra meninas e mulheres é uma questão universal”, explica a autora do relatório, Claudia Cappa.

“Mesmo em países como Luxemburgo, Espanha, Alemanha e França, muitas mulheres relatam experiências de abuso sexual na infância”, refere a investigadora.

Agressores conhecidos

Segundo o relatório, na maioria dos casos de abuso sexual, o agressor era conhecido da vítima, o pode dificultar a denúncia. “São parceiros íntimos, incluindo parceiros de namoro, mas também amigos, colegas de classe, vizinhos. As vítimas conhecem os abusadores e também é por isso que permanecem em silêncio”, afirma Claudia Cappa.

O número de meninas que foram forçadas a ter relações sexuais provavelmente é superior a 15 milhões em todo o mundo, de acordo com a UNICEF. que em muitos países os casos não são relatados pelas vítimas e que muitas não procuram ajuda.

“Em geral, apenas 1% das vítimas procura ajuda profissional. Por isso é muito difícil divulgar essa violência”, diz a autora do estudo. “Há vários estigmas associados à violência sexual – particularmente as meninas mais jovens podem sentir-se responsáveis ​​ou culpadas pelo ato. Também podem temer as repercussões da denúncia”, explica.

Leis mais duras

Claudia Cappa considera que leis mais eficientes de proteção à criança e um reforço dos serviços sociais são fundamentais para combater a violência sexual contra menores, em especial contra meninas.

“É preciso fortalecer a legislação, garantindo que, quando as vítimas têm a coragem de denunciar o abuso, haverá consequências para os violadores. E é preciso melhorar a qualidade dos serviços. Muitas vezes as vítimas não relatam o abuso porque não confiam neste apoio”, defende.

A UNICEF lembra que a violência sexual generalizada contra adolescentes pode prejudicar o progresso global na consecução dos objetivos da ONU por um desenvolvimento sustentável – um plano para acabar com a pobreza, a fome, alcançar a igualdade de género e proteger o planeta até 2030. (DW)

DEIXE UMA RESPOSTA