Crescimento populacional provoca surgimento de novos bairros periféricos – Carlos da Rocha Cruz

Governador do Namibe, Carlos da Rocha Cruz (Foto: Leopoldo Viana)

A imigração de povos oriundos das províncias da Huila, Benguela, Cunene, Huambo e Bié à província do Namibe, concretamente ao município de Moçamedes, tem provocado o surgimento de novos bairros periféricos de forma assustadora.

Este crescimento, segundo o governador do Namibe, Carlos da Rocha Cruz, em declarações à Angop, surge na sequência de o município sede de Moçamedes apresentar melhores condições sociais para qualquer que nela pretende habitar, como escolas, postos e centros de saúde, água, energia, entre outros serviços básicos.

Este fenómeno tem provocado ainda alguns constrangimentos aos serviços da administração municipal de Moçamedes, concretamente, na planificação de projectos sociais, “ pois construímos infra-estruturas e em pouco tempo vão surgindo outros bairros em que a sua população vai clamando por falta de água, escola, hospitais, esquadras policias, serviços que não estavam dentro dos programas do governo”.

“ Aqui, nós temos boas condições de vida, por isso, os nossos cidadãos vão comunicando aos demais familiares que vivem noutras regiões para cá virem e aqui permanecem, pois temos que encontrar alguma solução, caso contrário teremos áreas de risco habitadas”, disse o governante.

O bairro 5 de Abril, o mais populoso do município de Moçamedes tem sido alvo deste fenómeno, pelo facto de ter algumas áreas desérticas, onde surgiram desde o ano passado mais dois novos bairros, com mais de cinco mil cidadãos.

Apesar das dificuldades financeiras que o pais vive, o governo do Namibe construiu nestes dois novos bairros algumas infra-estruturas, como postos de saúde e escolas, e procedeu igualmente a entrega de lotes de terra para construção dirigida.

Alguns moradores idos das províncias de Benguela, em declarações à Angop, afirmaram que o ambiente é calmo, as pessoas são unidas e a vida é facilitada, porque em pouco tempo conseguiram colocar os seus filhos em escolas próximas das suas residências, bem como existem postos de saúde com atendimento facilitado.

Para impedir que a população construa em zonas de risco, a administração municipal, em parceria com os serviços de protecção civil e bombeiros, tem levado a cabo campanhas de sensibilização junto das populações, de formas a sensibilizá-las a construir em locais indicados pelo Estado.

A província do Namibe conta com um 495 mil 326 habitantes, segundo dados do Censo de 2014. (Angop)

DEIXE UMA RESPOSTA