Trump exorta população a evitar trajectória e fala em “poder destrutivo”

O presidente americano, Donald Trump (Afp)

O Presidente dos EUA, Donald Trump, recordou no sábado à população norte-americana o “enorme poder destrutivo” do furacão Irma e exortou que evitem a sua trajetória, segundo as instruções das autoridades.

“Esta é uma tempestade com um enorme poder destrutivo e peço a todos que estão na sua trajetória que sigam todas as instruções dos funcionários do Governo”, disse Trump no início de uma reunião no seu gabinete de retiro presidencial de Camp David (Maryland).

“Parece que o Irma vai ser realmente mau. Mas, estamos preparados tanto quanto de pode para algo assim”, indicou o Presidente, segundo um vídeo do início da reunião que publicou na sua conta no ‘Twitter’.

Trump e sua mulher, Melania, passam este fim de semana em Camp David com todo o gabinete para abordar as prioridades do Governo e acompanhar a evolução da chegada à Florida do Irma, o mais potente furacão registado até ao presente no Atlântico.

“A minha administração está a seguir a evolução do furacão Irma de forma contínua. Estamos em constante contacto com os funcionários estatais e locais. Faremos os possíveis para salvar vidas e apoiar os necessitados”, assinalou Trump.

Os alertas do chefe da Casa Branca foram ainda reforçados pela mensagem do governador da Florida, Rick Scott, que referiu que as pessoas que receberam ordem de retirada devem fazê-lo de imediato.

O governador frisou que esta é a última hipótese de tomarem uma boa decisão e disse que milhões de pessoas se vão confrontar com ventos ciclónicos e violentas tempestades com a aproximação do Irma.

O Irma fez, até agora, pelo menos 25 mortos à passagem pelas Caraíbas, segundo números compilados pela agência France-Presse.

O furacão já esteve na categoria máxima na escala Saffir-Simpson (5), já passou para categoria 4 e agora desceu para 3, após ter tocado terra, na sexta-feira à noite, na costa norte de Cuba. Ameaça agora costa sudoeste da Florida, nos Estados Unidos. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

DEIXE UMA RESPOSTA