Temer reage contra Joesley que o chamou de ‘ladrão-geral da República’

O presidente Michel Temer, cuja salvação de um processo de corrupção custou mais de R$ 14 bilhões (Mario Tama/Getty Images)

O presidente decidiu apelar ao procurador-geral da República Rodrigo Janot

O presidente Michel Temer decidiu apelar ao procurador-geral da República Rodrigo Janot contra Joesley Batista, por quem alega ter sido ofendido. Depois que o Palácio do Planalto emitiu nota na sexta-feira, 1, dizendo que o dono da JBS é “grampeador-geral da República”, o empresário também divulgou texto em que chamou Temer de “ladrão-geral da República” e, ainda, que o presidente “envergonha” todos os brasileiros.

“Estou indignado”, declarou nesta segunda-feira, 4, o criminalista Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, defensor do presidente. “Vamos tomar providências imediatamente, primeiro junto ao procurador-geral que não pode permitir que um homem subjudice saia ofendendo não só a pessoa física do presidente como a própria instituição da República. É mais um acinte à Justiça.”

“Esse homem (Joesley) já recebeu vergonhosos benefícios e está agora tendo garantias para falar o que quer, de quem quer, a hora que quer. Também vamos peticionar ao ministro Edson Fachin (relator do caso JBS no Supremo Tribunal Federal), que homologou a delação, para que tome medidas.”

Temer está em viagem oficial à China. O advogado disse que aguarda apenas a chegada do presidente, prevista para quarta, 6, para protocolar ofício no gabinete de Janot. “O procurador-geral não pode permitir, tem que tomar providências contra um delator que extrapola completamente os limites da sua ação como colaborador de Justiça e parte para ofensas pessoais contra o presidente.”

“Eu entendo que o procurador tem que tomar providências de ofício para punir (Joesley) e proibir qualquer manifestação dele a respeito de terceiros. A menos que o colaborador esteja falando nos autos. Mesmo nos autos ele não pode fazer ofensas. Tem que exercer o seu papel de informante, o qual ele está extrapolando atingindo o presidente da República.”

Na avaliação de Mariz, “o grau de impunidade do empresário não pode ser aumentado, não pode atingir níveis maiores que os já alcançados”.

“Trata-se de colaborador que se tornou verdadeiro agraciado por uma indulgência plena, impunidade nunca vista na história da República e que agora se sente absolutamente confortável para ofender o presidente da República.” (Band B)

DEIXE UMA RESPOSTA