SIS chamou polícias há dois dias para discutir ameaça terrorista

Os Serviços de Informação de Segurança (SIS) de Portugal colocaram o país em alerta, perante a eventualidade de ocorrerem ataques de radicais islâmicos (DR)

Uma informação “difusa” sobre um possível atentado em Lisboa, foi enviada ao SIS por uma agência secreta estrangeira

O Serviço de Informações de Segurança (SIS) convocou para uma reunião urgente todos os diretores e comandantes das polícias para discutir a gestão de uma informação na sua posse sobre um potencial atentado em Lisboa. O encontro de alto nível realizou-se na quarta-feira de manhã, na sede da Unidade de Coordenação Antiterrorista (UCAT), no Sistema de Segurança Interna (SSI).

A ameaça foi considerada “difusa” mas uma fuga de informação acabou por provocar, na tarde de ontem, um inesperado alarme social, com o próprio primeiro-ministro, a ter de intervir, confirmando a realização desta reunião. O terrorismo “é uma ameaça global, que pode estar em todo o sítio. É obviamente dever dos serviços analisar e avaliar cada informação que surge”, disse António Costa.

A UCAT é um órgão, sob coordenação do SSI, integrado por representantes das forças e serviços de segurança e das secretas (SIS e Serviço de Informações Estratégicas de Defesa). O núcleo operacional reúne normalmente às quintas-feiras para trocar e discutir informações que recebem ou recolhem relacionadas com terrorismo.

De acordo com fontes que acompanham o processo, a informação tinha chegado ao SIS através de uma congénere estrangeira, que não foi revelada. A ameaça era “difusa”, sem qualquer indicação sobre o quando ou onde este atentado se podia realizar, tal como tem acontecido em casos anteriores (ver caixa). No entanto, o facto de, pela primeira vez, ser nomeada a capital portuguesa em concreto como um dos potenciais alvos do terrorismo islâmico, levou o SIS a partilhá-la com os responsáveis policiais (PSP, GNR, SEF, PJ e Polícia Marítima)para ser tomada uma decisão em conjunto.

A iniciativa do SIS, aliás, surge numa altura em os Mossos de Esquadra (polícia catalã) foram obrigados a admitir que tinha recebido em maio informações da CIA, que desvalorizaram, sobre um possível ataque em Barcelona, que acabou por suceder a 17 de agosto. Mas no caso espanhol, ao contrário dos dados que o SIS mostrou aos responsáveis das polícias, era apontado um alvo em concreto, as Ramblas.

No entender do SIS, o conteúdo da informação era demasiado vago para alterar o nível de alerta no nosso país, que se encontra em “moderado” . Algumas fontes ouvidas pelo DN, que acompanham esta matéria, entendem que se trata apenas de “mais uma ameaça, entre tantas outras”, em que Portugal, como parte do “Al-Andaluz” acaba por indiretamente, em conjunto com Espanha, ficar abrangido por algumas das ameaças que têm sido conhecidas.

Alarme nas redes sociais

No entanto, para acautelar qualquer cenário, foi decidido informar várias entidades, como embaixadas, ministérios, algumas empresas estratégicas, para que tomassem as medidas que entendessem necessárias. Este cuidado acabou por tornar-se contraproducente, quando, ao início da tarde de quinta-feira, através das redes sociais foram difundidas mensagens de alerta sobre a eminência de um atentado em Portugal. “Tenho um amigo meu diplomata que me avisou que as embaixadas estão em alerta máximo”, ou, “malta, sem alarmismos, o SIS e as embaixadas entraram em alerta vermelho para ataque terrorista em Portugal nas próximas horas e dias. Não há muito a fazer, mas evitem lugares turísticos com muita gente”, foram alguns exemplos.

Entretanto, durante a tarde, o DN foi recebendo informação de algumas ações da PSP que indiciavam um reforço de segurança, principalmente na zona da baixa lisboeta, e algumas operações stop nas principais vias de acesso à cidade. Mas a PSP, admitindo algum reforço de segurança nos grandes eventos dos próximos dias, refuta qualquer relação destas medidas com a ameaça revelada pelo SIS na quarta-feira. O porta-voz da direção nacional da PSP assegurou que “não há identificação de qualquer risco ou ameaça terrorista” em Portugal, apesar de medidas preventivas adotadas devido a eventos de verão que se realizam este fim de semana.

Em declarações à Lusa, a secretária-geral do SSI, Helena Fazenda, chamou, ao alarme social, causado pela evidente fuga de informação, “rumores” e foi obrigada a fazer um comunicado a garantir que não havia alteração no nível de alerta, sem fazer qualquer referência à reunião da UCAT. A secretária-geral acrescentou ainda que “todas as forças e serviços de segurança que integram a Unidade de Coordenação Antiterrorismo estão a trabalhar em completa articulação e em cooperação com as suas congéneres, acompanhando o contexto internacional no âmbito da ameaça terrorista”.

A ministra da Administração Interna, por seu lado, foi mais precisa: “Que tenha conhecimento não há um perigo concreto de um atentado no local A ou B. Não existe nenhum aviso de que vai haver uma atentado terrorista aqui ou acolá”, garantiu”, o que vai ao encontro da referido informação “difusa” partilhada pelo SIS. (Diário de Notícias)

por Lusa

DEIXE UMA RESPOSTA