Sete mortos em ataque do Boko Haram no nordeste da Nigéria

Bandeira do Boko Haram (Afp)

Pelo menos sete pessoas morreram num ataque do Boko Haram a um acampamento para deslocados em Ngala, disseram testemunhas este sábado (09.09). Em Maiduguri, ataque efetuado por mulheres deixou dois mortos na sexta.

O ataque aconteceu na sexta-feira (08.09) à noite em Ngala, perto da fronteira da Nigéria com os Camarões.

Um membro da milícia civil, Umar Kachalla, disse que os jihadistas em dois caminhões dispararam um rocket contra o acampamento que abriga cerca de 80 mil pessoas.

“Eles dispararam um rocket por trás da cerca de fogo do acampamento, matando sete pessoas e ferindo várias outras”, disse Kachalla à AFP.

Abubakar Yusuf, residente de Ngala, corroborou o relato de Kachalla. “As baixas foram relativamente mínimas, porque a maioria das pessoas se recolheu durante a noite,” acrescentou.

O acampamento em Ngala foi criado em janeiro do ano passado após o retorno de milhares de refugiados nigerianos dos Camarões, para onde fugiram devido à violência.

O Boko Haram tomou os centros comerciais de Ngala e da vizinha Gamboru, em agosto de 2014, quando assumiu uma faixa de território em todo o estado de Borno.

As tropas nigerianas retomaram as duas cidades, em setembro de 2015, com a ajuda das forças chadianas.

No entanto, os combatentes do Boko Haram ainda lançam ataques esporádicos, colocando emboscadas para tropas e veículos, além de atacar e abduzir agricultores.

Dois mortos em Maiduguri

Em Maiduguri, duas pessoas foram mortas fora do acampamento Muna Garage, para deslocados internos, na sexta-feira (08.09).

O acampamento, localizado à beira da cidade, está a lutar contra um surto de cólera causado por condições insalubres exacerbadas pela estação chuvosa.

Babakura Kolo, da milícia civil que ajuda as forças armadas com segurança, disse que duas mulheres tiveram de sair de um táxi em um ponto de controle.

“Uma das mulheres tentou correr para dentro de uma multidão, mas os explosivos escondidos sob suas roupas foram disparados prematuramente”, disse ele.

“Uma passageira do táxi e o motorista de um riquexó foram mortos na explosão”, disse ele. A declaração foi apoiada por um colega da milícia, Musa Ari.

Cinco pessoas – o motorista do táxi, outro passageiro e três homens no riquexó – ficaram feridas, acrescentaram.

Kolo, que estava no local, disse que uma segunda mulher suicida também foi morta na explosão inicial.

Ameaça constante

O exército e o Governo da Nigéria mantêm que o filial do grupo Estado islâmico é uma força perdida, mas seus ataques contínuos realçam a ameaça persistente, particularmente para os civis.

Oito agricultores foram mortos em uma série de ataques nas passadas quarta (06.09) e quinta-feira (07.09). Quatro outros foram mortos na terça-feira (05.09).

Muitas das vítimas voltaram para casa para tentar cultivar culturas para aliviar a escassez aguda de alimentos que deixou centenas de milhares de pessoas à beira da fome.

A Amnistia Internacional disse que os ataques do Boko Haram, desde abril, mataram quase 400 pessoas na Nigéria e nos Camarões – o dobro dos cinco meses anteriores.

O porta-voz do exército nigeriano, o general de brigada Sani Usman, rejeitou as reivindicações de um ressurgimento da violência como parte de uma campanha de difamação contra os militares.

Buhari pede calma no centro do país

O presidente da Nigéria, Muhammadu Buhari, apelou à calma e ao fim da violência comunal este sábado, depois que a polícia disse que pastores de gado armados mataram 19 pessoas no estado central de Plateau.

A polícia local disse que os pastores Fulani atacaram a aldeia de Ancha, na área do Governo local de Bassa, no estado de Plateau, nas primeiras horas da sexta-feira. Eles disseram que foi planejado para ser um ataque de represália, depois que um menino da comunidade de pastores foi morto.

A polícia forneceu detalhes do ataque, em que cinco pessoas ficaram feridas, na noite de sexta-feira.

A luta entre pastores semi-nômades de gado e comunidades mais povoadas pelo uso da terra reivindica centenas de vidas por ano nos estados central e norte da Nigéria.

“Exorto todas as nossas comunidades no estado e nas outras partes do país a abraçar a paz e acabar com essas matanças dolorosos e desnecessários”, disse Buhari, em uma declaração por e-mail.

Ele disse que comunidades e agências de segurança no Plateau tomaram medidas para “trazer o estado de volta da anarquia e assassinatos sem sentido”, acrescentando que seria “uma perda dolorosa permitir que esses atos desagradáveis retornem”.

A violência é outro desafio de segurança para Buhari, além da insurreição jihadista do Boko Haram de oito anos no nordeste e tentativas de manter um frágil cessar-fogo no centro de energia ao sul, no Delta do Níger, onde os ataques às instalações de petróleo no ano passado reduziram a produção de petróleo em mais de um terço. (DW)

DEIXE UMA RESPOSTA