Os quatro conselhos da carta que Obama deixou a Trump na Casa Branca

O ex-presidente Barack Obama encontra com o presidente eleito Donald Trump na Casa Branca em Washington, DC, no dia 20 de janeiro de 2017 (AFP / JIM WATSON)

Na carta, Obama pede a Trump para que não esqueça os menos afortunados e recorda que a liderança norte-americano no mundo é “indispensável”.

“Fui à Sala Oval e encontrei esta bonita carta do Presidente Obama. Foi muito simpático da parte dele fazer isso e vamos acarinhar isso, manter isso e nem sequer vamos dizer à imprensa o que esta na carta”. Foi assim que o mundo soube que o ex-presidente dos Estados Unidos tinha deixado uma carta ao seu sucessor, Donald Trump, que revelou a a existência da missiva numa conferência de imprensa dois dias depois da tomada de posse. Mais de oito meses depois, o conteúdo foi finalmente revelado pela CNN.

A televisão norte-americana diz ter conseguido uma cópia, de alguém com quem Trump partilhou o texto, e divulgou-o na íntegra este domingo.

Na carta, Obama deixa quatro conselhos ou lembretes a Trump: em primeiro lugar, lembra a Trump que ambos se podem considerar afortunados e pede-lhe que não se esqueça dos que têm menos sorte e da aposta na criação de caminhos para o sucesso para as famílias trabalhadoras; em seguida, recorda que a liderança norte-americano no mundo é “indispensável”; o terceiro conselho é também um lembrete de que são ocupantes temporários da Casa Branca e que lhe cabe deixar as instituições e tradições democráticas pelo menos tão fortes como as encontraram. E, por fim, Obama aconselha Trump a tirar tempo para a família e amigos.

Barack Obama termina texto dizendo que ele e a mulher desejam o melhor ao novo casal presidencial e garantido que estarão sempre prontos para ajudar.

A CNN lembra que ao escrever carta, que pode ser lida na íntegra aqui (em inglês), Obama manteve uma tradição estabelecida por anteriores presidentes. O próprio Obama recebeu uma missiva de Geroge W. Bush, tal como aquele tinha recebido de Bill Clinton (Diário de Notícias)

por Lusa

DEIXE UMA RESPOSTA