Índia importa 10% do petróleo de Angola

Sushi Singhai, Embaixador da Índia em Angola (Foto: Alberto Juliao)

Dez porcento do petróleo consumido na Índia é importado de Angola, constituindo-se num parceiro estratégico do sector comercial deste país asiático, afirmou esta sexta-feira, em Luanda, o embaixador indiano plenipotenciário, Sushil Singhal.

O diplomata acreditado em Angola, que falava à imprensa após o acto de encerramento do seminário de capacitação empresarial sobre o comércio internacional e exportações, considerou, igualmente, positiva as trocas comerciais entre a classe empresarial angolana e indiana, tendo apontado a existência de mais de quatro mil indianos a exercerem a actividade comercial em Angola.

Referiu ainda que as trocas comerciais entre os dois países rondavam os 7,5 biliões de dólares norte-americanos, mas devido à situação da conjuntura financeira e económica baixaram para 3,5 biliões, respectivamente.

O embaixador garantiu, por outro lado, que Índia vai trabalhar no sentido de Angola reduzir o número das suas importações, instalando uma cadeia de produção interna.

Por seu turno, o secretário de Estado para o Comércio Externo, Francisco Fernandes, considerou o evento de extrema importância por permitir os agentes económicos interagirem sobre as questões comerciais e reforçar as relações económicas entre os dois países.

O “Ambiente na economia global”, a “Gestão de mercados e risco de preço” o “Comércio internacional, padrões e estratégias para o aprimoramento da exportação para Angola”, “Estratégias de mercado internacional”, entre outros temas, dominaram o evento realiza pela Agência para a Promoção de Investimento e Exportações de Angola (APIEX), em parceria com o Instituto Internacional do Comércio da Índia.

A acção de formação, que decorreu de 19 a 23 deste mês, nas instalações da APIEX, visou capacitar os agentes económicos, bem como sensibilizar as entidades públicas e privadas, no sentido de se reforçar as metas traçadas, no âmbito do processo da diversificação económica nacional, estimulando as exportações dos produtos nacionais. (Angop)

DEIXE UMA RESPOSTA