Huambo: Vice-governador aconselha jovens a diversificar áreas de formação

Huambo: Vista parcial da Cidade do Huambo (Foto: Angop)

Os jovens da província do Huambo foram aconselhados hoje, pelo vice-governador para o sector político e social, Guilherme Tuluca, a diversificar às áreas de formação, para o combate ao desemprego.

Segundo o responsável, que falava na abertura das festas da cidade, a assinalar-se a 21 deste mês, é necessário que os jovens, enquanto força motriz para o desenvolvimento de qualquer sociedade, apostem na diversificação de cursos académicos e profissionais.

“O país precisa não apenas de pessoas formadas do ponto de vista académico, mas também do ponto de vista técnico-profissional, sobretudo nas áreas de mecânica, serralharia, marcenaria, entre outros, para que consigam empreender e deixar de depender do Estado”, enfatizou.

Por outro lado, Guilherme Tuluca realçou que o crescimento económico-social da província, marcado pela construção de infra-estruturas deve, necessariamente, se repercutir na forma de estar e de ser das pessoas, em particular dos jovens, através da cultura de preservação dos bens colocados à disposição da sociedade, para a manutenção estética da cidade.

Neste sentido, solicitou a conjugação de esforços para elevação do Huambo a um patamar do desenvolvimento integrado, através da construção de infra-estruturas sanitárias e educacionais, além do saneamento básico, para que os investidores nacionais e estrangeiros possam ser atraídos, de modo a gerar mais emprego e bem-estar das famílias.

Sob o lema “a cidade do Huambo é onde se estuda e se trabalha para o bom futuro dos jovens”, a urbe comemora, a 21 de Setembro, 105 anos desde a sua fundação, pelo então governador-geral de Angola, general José Mendes Ribeiro Norton de Matos (português), na sequência de um despacho administrativo emitido pela portaria nº1040, datado de 08 de Agosto de 1912, com olhos postos no seu progresso sustentável.

As jornadas, a decorrer até 30 de Setembro, serão marcadas pela realização de actividades desportivas, com destaque para campeonato escolar e federados em diversas modalidades, motociclos, ciclismo e festivais músico-culturais.

Constam no programa festivo, palestras sobre a história da cidade e desenvolvimento sócio económico da província, assim como a realização de um concurso de gastronomias e feiras de comes e bebes.

O nome da urbe se deve ao mítico caçador Wambo Calunga, oriundo da província do Cuanza Sul, que habitava na localidade de Muangunja, no município da Caála.

A história reza que a planta da cidade do Huambo foi feita um ano depois da sua inauguração, em 1913. A política estabelecida por Norton de Matos, enquanto governador-geral de Angola, preconizava o desenvolvimento do interior, enquadrando-se aí a criação da cidade do Huambo.

Este governante, aliás, não se limitou a criar a cidade, mas também procurou desenvolvê-la ao máximo, com diversas medidas posteriores, como a concessão de terrenos a empresas comerciais, a instalação de uma câmara municipal, de escolas, de uma delegação da fazenda e a criação de uma granja agrícola experimental e um posto pecuário de observação e tratamento de gados.

Em 1928, já na vigência de um novo governador-geral de Angola colonial, a cidade do Huambo ganhou o nome de Nova Lisboa, para satisfação desse governador, que pretendia ver transferida a capital da província ultramarina ao Huambo, em homenagem a cidade de Lisboa, capital de Portugal. Vigorou o nome, mas a capitalidade não vingou por várias razões. (Angop)

DEIXE UMA RESPOSTA