Cuanza Norte: Defendido diálogo familiar para prevenção de suicídios

psicólogo Silvestre Galho (Foto: Edilson Lourenço)

O psicólogo angolano Silvestre Galho defendeu hoje, domingo, na cidade de Ndalatando, província do Cuanza Norte, a necessidade de existir diálogos abertos entre os membros das famílias de forma a evitar-se eventuais casos de suicídio de adolescentes, principalmente.

O especialista fez essas declarações à Angop a propósito do 10 de Setembro, Dia Mundial da Prevenção do Suicídio, tendo referido que o diálogo no meio familiar, a educação dos jovens sobre as formas de lidar com os problemas pessoais e a melhoria das condições de vida da população são factores essenciais para a evitar de casos de suicídio.

Frisou que a criação de melhor condições sociais, o diálogo familiar e a inclusão social, são algumas das condições que podem ajudar a desencorajar as tendências suicidas.

Definiu o suicídio como um atentado que o indivíduo perpetra contra a própria vida e apontou como as principais causas deste mal os conflitos conjugais, dificuldades financeiras, isolamento social, perturbações mentais e injustiças sociais.

“São numerosas as causas do suicídio. Há pessoas que atentam contra a própria vida por serem estigmatizadas, por possuírem condições sociais precárias, por contraírem dívidas ou estarem desempregadas”, sublinhou.

Segundo o psicólogo, a pretensão do suicídio é mais frequentes em adolescentes, mas são os idosos quem mais consumam tal acto, quanto ao género, disse serem as mulheres quem mais atentam contra a própria vida.

Aconselhou às pessoas a observarem os sinais de alerta de eventuais casos suicidas, que são traduzidos por baixa auto-estima, depressão, entre outros comportamentos anormais.

Dados do Serviço de Protecção Civil e Bombeiros da província do Cuanza Norte apontam para ocorrência de 12 casos de suicídios, todos por enforcamentos, no primeiro semestre deste ano, mais quatro, em relação ao igual período de 2016.

O Dia Mundial da Prevenção do Suicídio foi instituído em 2003 pela Associação Internacional para a Prevenção do Suicídio e pela Organização Mundial de Saúde (OMS) com o objectivo de prevenir tais acções, através da adopção de estratégias específicas. (Angop)

DEIXE UMA RESPOSTA