Crédito à economia aumenta 1,75% em Julho

(TPA)

Os dados preliminares das contas monetárias do mês de Julho de 2017 revelam que o crédito à economia nacional aumentou em 1,75 porcento, enquanto que o crédito bruto ao governo central (titulado e não titulado) diminuiu em 0,96 porcento, segundo o Comité de Política Monetária (CPM).

Na reunião, realizada quinta-feira, 31 de Agosto, em Luanda, para análise da evolução dos indicadores relativos à economia nacional, com realce aos sectores real, fiscal, monetário e externo, assim como o comportamento da economia internacional, o Comité de Política Monetária aponta ainda que neste período os depósitos do Governo no sistema bancário aumentou em 9,85 porcento.

Os meios de pagamentos representados pelo agregado M2 diminuíram em 0,86 porcento, em Julho, e em 5,87 porcento nos últimos 12 meses, de acordo com o documento chegado à Angop nesta sexta-feira.

A base monetária restrita em moeda nacional contraiu 3,44 porcento em termos mensais e 16,10 porcento nos últimos 12 meses, relata o relatório referente ao mês de Julho.

Neste período, no que concerne a economia monetária e financeira nacional, os bancos comerciais que operam em Angola compraram 1.066,25 milhões de dólares norte-americanos, no mês de Julho, dos quais 946 milhões ao Banco Nacional de Angola (BNA) e o remanescente aos seus clientes.

De acordo com o relatório do CPM, registou-se um aumento de 5,14 porcento de compras de divisas, comparativamente ao mês anterior.

O CMP notou, no período em análise, que a inflação homóloga continua a perseguir a sua trajectória descendente, iniciada em Janeiro de 2017.

Segundo o documento, a economia monetária e financeira nacional, no mês de Julho, a taxa de inflação mensal, medida pelo Índice de Preços no Consumidor da província de Luanda, foi de 1,77 porcento, contra 1,58 porcento do mês anterior e 35,30 porcento, em Julho de 2016.

Entretanto, a inflação dos últimos 12 meses situou-se em 29,01 porcento, contra 31,89 porcento no mês anterior e 35,30 porcento no período homólogo de 2016, o que reflecte o curso descendente da inflação homóloga iniciado em Janeiro de 2017.

A classe 05 “Mobiliário, Equipamento Doméstico e Manutenção” foi a que registou o maior aumento de preços com 3,07 porcento, enquanto que a classe 01 “Alimentação e Bebidas não Alcoólicas” com 0,83 pontos percentuais (p.p) foi a que mais contribuiu para o aumento do nível geral de preços em Luanda, seguida da classe 12 “Bens e Serviços Diversos” com 0,26p.p.

Relativamente ao Índice de Preços no Consumidor Nacional (IPCN), divulgado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), em Julho de 2017, observou-se uma variação de 1,69 porcento, correspondendo a um aumento de 0,17p.p em relação ao mês anterior (1,52 porcento) e uma redução de 2,57 pontos percentuais em relação ao período homólogo de 2016 (4,26 porcento).

A província da Huíla foi a que registou menor variação com 1,16 porcento, enquanto que Benguela foi a que registou maior variação com 2,15 porcento.

No mesmo período, a LUIBOR overnight fixou-se nos 22,37 porcento, ao ano, e nas maturidades de três e 12 meses as taxas LUIBOR situaram-se em 20,12 porcento e 24,25 porcento, ao ano, respectivamente.

Já no mercado cambial primário, a taxa de câmbio média do Kwanza face ao Dólar norte-americano situou-se em 165,92, mantendo-se inalterado.

Na sequência da análise efectuada à evolução dos principais indicadores macroeconómicos, o Comité de Política Monetária decidiu manter a taxa básica de juro-taxa BNA em 16,00 porcento ao ano e manter a taxa de juro da facilidade permanente de cedência de liquidez (overnith) em 20,00 porcento/ano.

Os membros do CPM também decidiram manter a taxa de juro da facilidade permanente de absorção de liquidez a sete dias, em 2,75 porcento ano.

A próxima reunião do Comité de Política Monetária vai decorrer no dia 29 de Setembro de 2017. (Angop)

DEIXE UMA RESPOSTA