Chefe militar da Índia cita possibilidade “real” de uma guerra simultânea com a China e o Paquistão

Nas comemorações do 70.º aniversário da independência da Índia, a 15 de agosto, Modi sublinhou que tem direito a defender-se de quem quer que "aja contra o país" (MONEY SHARMA)

O chefe do Exército da Índia avisou na quarta-feira que o país deve estar preparado para uma guerra em duas frentes perante os recentes exercícios militares da China na região dos Himalaias e a falta de perspetivas de reconciliação com o Paquistão.

Citado pela agência Press Trust, durante um seminário organizado pelo Center for Land Warfare Studies, um think tank com sede em Nova Deli, o general Bipin Rawat fez referência ao recente conflito com tropas chinesas na fronteira norte da Índia — sublinhando que, apesar de ter terminado na semana passada ao final de dois meses e meio, pode vir a dar lugar a um conflito maior naquela área, dado que o Paquistão pode aproveitar-se da instabilidade decorrente de potenciais confrontos entre os indianos e os chineses.

Um conflito armado envolvendo as três potências nucleares representa mais uma ameaça naquela região do mundo, numa altura de altas tensões na Península Coreana por causa dos testes nucleares e de mísseis que o regime norte-coreano tem estado a conduzir. A concretizar-se, não será a primeira guerra entre a Índia e os outros dois países: em 1962, os Himalaias estiveram no centro da guerra sino-indiana por causa da região Arunachal Pradesh, conhecida na China como Tibete do Sul; com o Paquistão, a Índia já esteve envolvida em três guerras desde que ganhou independência da Grã-Bretanha em 1947, duas delas pelo controlo de Caxemira.

Para Rawat, o facto de os três países terem armas nucleares não serve para impedir que o norte da Índia volte a estar mergulhado num conflito armado. “As armas nucleares são armas de dissuasão, sim, mas dizer que podem impedir uma guerra ou evitar que as nações entrem em guerra pode não ser verdade no nosso contexto”, declarou o general. “Temos de estar preparados. No nosso contexto, a possibilidade de uma guerra é real.”

As declarações surgem uma semana depois de a Índia ter aceitado retirar as suas tropas do disputado planalto de Doklam, uma zona elevada da cordilheira dos Himalaias onde as tropas chinesas estão a construir uma estrada. O conflito de dez semanas foi o mais prolongado das últimas décadas e veio alimentar a rivalidade estratégica de longa data entre as duas nações vizinhas.

Na terça-feira, o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, encontrou-se com o Presidente chinês, Xi Jinping, à margem de uma cimeira dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) em Xiamen, uma cidade costeira no sudeste da China. No rescaldo da reunião, os dois líderes anunciaram uma nova estratégia de “olhos postos no futuro” quanto às relações sino-indianas, na tentativa de enterrar a disputa por Doklam. (Jornal Expresso)

DEIXE UMA RESPOSTA