Artistas huilanos manifestam consternação pela morte de “Nacobeta”

O artista havia sido submetido a duas intervenções cirúrgicas na garganta, em 2016, e desde então nunca mais voltou aos palcos (Foto: Platina Line)

Artistas huilanos manifestaram-se hoje, terça-feira, no Lubango, consternados com a morte do kudurista Nacobeta, por doença, numa unidade hospitalar em Luanda, considerando ser este um momento para que se reflicta na possibilidade de criação de um fundo de pensões para acudir os músicos em caso de necessidade.

Em entrevista separadas à Angop, nesta cidade, os músicos, de forma unânime, destacaram as qualidades do “rei do ndombolo, que até a data da sua morte foi um incontornável ícone do estilo popular Kuduro”.

O kudurista, Show Mike, disse que tudo que faz hoje se inspira em Nacobeta. “Graças a ele consigo escrever músicas e buscar melodias para se despontar em grandes palcos”, apelando para a necessidade de se criar um fundo de pensões para acudir a classe em caso de doenças, como foi o caso do finado cantor.

Tropa 50, outro kudurista, sublinhou que desde sempre admirou a forma de como o falecido Nacobeta desfilava no palco e com demonstrações de músicas que fazia vibrar os seus fãs, para além de ter sido um “bom” produtor.

O coordenador provincial da Huíla da União dos Artistas e Compositores UNAC-EP, Serafim Afonso, exprimiu em nome dos artistas huilanos o seu sentido de pesar, considerando que este vazio vai dificultar o crescimento musical neste estilo.

Para a fonte, os artistas angolanos notabilizados e não só, devem continuar a transmitir a sua experiência neste ramo à nova geração, para melhor manter a identidade cultural angolana, através da música.

O artista havia sido submetido a duas intervenções cirúrgicas na garganta, em 2016, e desde então nunca mais voltou aos palcos.

Com uma carreira artística de mais de 10 anos, o cantor fez sucesso no mercado kudurista na companhia de Puto Português, com quem produziu e publicou vários temas, entre os quais “Wakimono”, “Bababa” e “Mata Cobra”. (Angop)

DEIXE UMA RESPOSTA