Memorial Agostinho Neto lança concurso de poe

(DR)

O prémio, criado pelo Memorial António Agostinho Neto (MAAN), vai ser entregue no dia 8 de Março de 2018, galardoando três obras inéditas que não tenham sido premiadas em nenhum outro concurso.

O prémio foi apresentado na sexta-feira, em Luanda, em conferência de imprensa, por Alice Beirão do Departamento de Apoio à Investigação do MAAN, que informou que o concurso é uma homenagem à viúva do primeiro Presidente de Angola, a escritora Maria Eugenia Neto.

A primeira classificada vai receber um milhão de kwanzas, a segunda tem direito de quinhentos mil, e a terceira duzentos e cinquenta mil kwanzas.

No decorrer da conferência de imprensa, em que participaram escritoras e jornalistas, foram discutidas várias questões tais como maior divulgação do concurso, aumento dos valores do prémio, quantidade de páginas exigida no regulamento, limite de idade e a participação de mulheres estrangeiras.

A escritora Cremilda de Lima sugeriu à Direcção do MAAN para diversificar e aumentar as formas de publicidade do concurso, quer na televisão, quer na rádio para “melhor conhecimento dãs autoras mais jovens, que desconhecem a dimensão humana e estética da poesia de Agostinho Neto”.

No final da cerimónia de lançamento do prémio houve uma animação cultural com a cantora e compositora Anabela Aya, que interpretou várias canções, cujas letras são textos poéticas de Agostinho Neto.

Regulamento do Prémio

A direcção do MAAN manifestou-se receptiva em acolher diversas sugestões para enriquecer o regulamento do Prémio de Poesia no Feminino “Um bouquet de rosas para ti”. Alice Beirão disse que o concurso é aberto a mulheres estrangeiras porque pode propiciar uma projecção internacional do prémio, e por que existem embaixadoras e embaixatrizes que se dedicam às artes e à literatura, além de outras mulheres estrangeiras residentes no país.

O prémio não tem limite de idade e a quantidade de páginas não é condição “categórica” para a classificação das obras concorrentes.

De acordo com o regulamento, as obras devem ser inéditas e apresentadas em suporte físico, em duas vias, no formato A4 e acompanhadas do suporte digital (CD ou “pen drive”), em formato “Word”, com tipo de letra “Times New Roman”, tamanho 12, espaçamento 1,5, com um mínimo de 100 páginas.

As obras concorrentes devem ser assinadas com pseudónimo do autor, acompanhadas de um sobrescrito fechado, identificado com o título da obra e o pseudónimo do autor (coincidente com o pseudónimo usado nas cópias da obra) contendo cópia do Bilhete de Identidade, endereço electrónico e telefone de contacto.

As candidatas devem, também, assinar uma declaração referindo que a obra apresentada a concurso é original e inédita e não foi apresentada a nenhum outro concurso com decisão pendente, que desconhece qualquer acção ou interpelação que ponha em causa a autoria ou a exploração da obra.

Júri do prémio
O júri é constituído por quatro personalidades, três das quais reconhecidas do mundo literário e cultural de língua portuguesa, incluindo um representante do MAAN.

O júri decide por maioria de votos dos seus membros, sendo a decisão final definitiva e inapelável. Em caso de empate cabe ao presidente do júri voto de qualidade.

A decisão do júri é anunciada até no fim do dia 15 de Fevereiro do ano da entrega do prémio. Se as obras concorrentes não apresentarem a qualidade exigida, pode o júri deliberar a não-atribuição do prémio. (Jornal de Angola)

DEIXE UMA RESPOSTA