Huambo: Apresentada comissão administrativa da centralidade do Lossambo

Huambo: Centralidade do Lossambo (Foto: cedidas)

Os membros da comissão de gestão administrativa da centralidade do Lossambo criada, recentemente, pelo governador da província do Huambo, João Baptista Kussumua, foram apresentados hoje aos moradores desta nova zona habitacional.

A comissão, apresentada pelo vice-governador da província do Huambo para os serviços Técnicos e Infra-estruturas, Calunga Francisco Quissanga, é coordenada por Albino João Fonseca Lumingo, coadjuvado por Manuel Hermenegildo Coelho da Cruz.

Integram ainda Tito José Freitas, Ludmila Zeret Cândido, Pedro Cassapi e Paulo Agostinho de Castro Muiuve.

Na ocasião, Calunga Quissanga disse que a comissão tem a responsabilidade de trabalhar, em conjunto com os moradores, na solução dos seus problemas, servindo de elo, quer com a Kora-Angola (construtora do projecto), quer com o Fundo Habitacional, visando a garantia do bem-estar das famílias.

Por sua vez, o coordenador da comissão de gestão administrativa do Lossambo, Albino João Fonseca Lumingo, disse ter traçado como prioridade o diálogo franco e aberto com todos os moradores, de modo a que às políticas de organização da vila sejam ajustadas na base das expectativas colectivas e dentro da Lei da Administração Local do Estado.

Este órgão tem a missão de melhorar a prestação dos serviços básicos, sobretudo, quanto ao abastecimento de água potável, fornecimento de energia eléctrica, transportes públicos, recolha e tratamento do lixo, além de garantir a manutenção e apoio às empresas e as actividades económicas, com vista a fomentar o desenvolvimento da centralidade.

Constam entre as atribuições, a prestação de assistência e a reinserção social, educacional e sanitária, contribuindo para melhoria da vida da população, bem como a preservação dos edifícios, monumentos e sítios, classificados como património do Estado e situados na vila.

Na centralidade foram erguidas 2009 habitações do tipo T3, tais como 1.482 apartamentos, 184 moradias térreas e 343 moradias de dois pisos.

Estão também disponíveis dois centros infantis, um jardim-de-infância, três escolas (do ensino primário I e II ciclos do ensino secundário), um posto de saúde, um sistema de captação e abastecimento de água potável e outro de tratamento de águas residuais, de produção e fornecimento de energia eléctrica, esquadra policial, entre outros serviços indispensáveis para o normal funcionamento da localidade. (Angop)

DEIXE UMA RESPOSTA