Eleições/2017: CASA-CE apresenta modelo de melhoramento da saúde

Candidato da CASA-CE - Abel Chivukuvuku (Foto: José Cachiva)

A Convergência Ampla de Salvação de Angola – Coligação Eleitoral (CASA-CE) apresentou neste sábado, em Luanda, um modelo de organização e de melhoramento do sector da saúde (no país) que prioriza a saúde infantil.

Esse paradigma foi apresentado pelo candidato daquela agremiação política a deputado à Assembleia Nacional, Nelson Pestana Bonavena, quando se dirigia aos vendedores do mercado do Catinton, no distrito da Maianga.

Nelson Bonavena, que fez várias promessas, disse, caso a sua coligação ganhe as eleições, que vai pôr água nas casas, ao invés de chafarizes nas comunidades.

Na actividade, que sucedeu a uma idêntica realizada no período matinal, com o mesmo grupo de militantes, o político acrescentou que o Governo da CASA vai igualmente organizar a economia nacional para gerar empregos; criar pequenas e micro-empresas e apoiar a agricultura familiar.

Por sua vez, o secretário provincial da força política em Luanda, Alexandre Dias dos Santos “Libertador”, falou da necessidade da realização de eleições gerais livres, justas e transparentes para que a vontade do cidadão eleitor resulte num acto que possa ser o orgulho de todos os cidadãos”.

“Nós só estamos aqui porque o povo é que é o dono da mudança. Nós seremos simplesmente vossos servidores e trabalhadores. Nós não estamos aqui pela vontade do poder, mas sim pela solidariedade com a vossa pobreza e sofrimento, que têm culpado” – concluiu.

Este acto da CASA-CE no Catinton foi o culminar de uma marcha mobilizadora de cerca de dois quilómetros que os seus membros efectuaram, partindo da perpendicular com a 21 de Janeiro até ao mercado local, onde estiveram presente perto de três mil vendedores.

Fundada a três de Abril de 2012, a CASA- CE conseguiu oito deputados nas eleições de 2012, fruto dos 345 mil 589 votos obtidos, correspondentes a seis porcentos dos 6.124.669 votos totalizados, num pleito ganho pelo MPLA, com 4.135.503 (71,84%), seguido pela UNITA (1.074.565 / 18,66%). Em Luanda, maior praça eleitoral (com dois milhões, 882 mil e 632 eleitores registados para as eleições deste ano), obteve 203 mil e 212 votos, correspondendo a 12,84 dos votos validamente expresso (um milhão, 581 mil e 943 votos). (ANGOP)

DEIXE UMA RESPOSTA