Benedito Daniel espera convocar um referendo

BENEDITO DANIEL, PRESIDENTE DO PRS (FOTO: ANTÓNIO ESCRIVÃO)

O candidato do PRS a Presidente da República, Benedito Daniel, reafirmou ontem, em Luanda, que espera ganhar as eleições gerais do dia 23 deste mês e que, caso isso aconteça, vai convocar um referendo para o povo decidir sobre a mudança do país para o sistema federal, proposto pelo seu partido.

O político falava numa conferência de imprensa que serviu para fazer o balanço da sua recente visita às províncias da Huíla, Cunene, Namibe, Benguela e Cuanza Sul, no quadro da campanha eleitoral em curso, tendo mantido contactos com militantes do seu partido e outros cidadãos.

Benedito Daniel fez um balanço positivo dessas visitas e reiterou que o Federalismo não significa dividir o país, mas sim um modelo que pode melhorar a vida da população. “Há necessidade de o Estado angolano ser um Estado federal para que os problemas sejam resolvidos localmente”, advogou.

A propósito, apelou à comunidade académica para discutir a ideia do Federalismo e lançou um repto a outros candidatos a Presidente da República, nomeadamente João Lourenço (MPLA), Isaías Samakuva (UNITA), Abel Chivukuvuku (CASA-CE), Quintino Moreira (APN) e Lucas Ngonda (FNLA) para um debate, afirmando “aguardar com expectativa” pelos seus concorrentes.

Voltou a explicar que o PRS não divulgou o seu programa de governo por receios de plágio por parte de outras formações políticas, mas colocou à disposição dos eleitores o Manifesto Eleitoral, documento onde constam as linhas gerais do programa do partido.

O dirigente do PRS criticou a actuação da imprensa pública na cobertura das actividades do seu partido durante a campanha eleitoral, considerando “nula” a divulgação das actividades da sua formação política pela Televisão Pública de Angola, Rádio Nacional de Angola, Angop e Jornal de Angola.

“Estes órgãos raramente acompanham as nossas actividades e quando decidem passar a nossa mensagem só desinformam. Dizem o que o Partido de Renovação Social não disse. Isto aconteceu no Cunene e um pouco por todo o país. Até agora não sabemos a fonte da sua informação”, acusou, sublinhado que o Partido de Renovação Social não quer ter a imprensa pública como um outro concorrente às eleições gerais. Por isso, apelou para uma conduta dos órgãos de comunicação estatais de “acordo com os marcos da ciência e da lei”.

O líder do Partido de Renovação Social disse que o seu partido vai colocar 50 mil delegados de lista em todas as messas de assembleias de voto em todo o país para um melhor acompanhamento da contagem de votos.
Benedito Daniel acusou a Comissão Nacional Eleitoral de dificultar o credenciamento dos delegados de lista dos partidos políticos.

“Queremos transparência na contagem”, reclamou, afirmando que a Polícia Nacional é a única instituição do Estado que acompanhou bem as actividades do Partido de Renovação Social em todas as províncias em que passou.
O candidato do Partido de Renovação Social a Presidente da República realiza hoje em Luanda uma campanha de mobilização dos eleitores nos mercados do Kikolo, Asa Branca e Catinton e um acto político de massas no Capalanca, município de Viana. (Jornal de Angola)

DEIXE UMA RESPOSTA