Ricardo Salgado e o Banco de Portugal: “Se o objectivo era destruir-me, não era preciso tanto”

(Dro Daniel Rocha)

Primeira entrevista ao antigo banqueiro desde o colapso do BES, há três anos. Nesta conversa com o Dinheiro Vivo Salgado não poupa críticas ao ex-primeiro-ministro Passos Coelho, mas o seu principal alvo é o governador do Banco de Portugal, Carlos Costa.

No escritório da sua casa em Cascais, Ricardo Salgado, o antigo homem-forte do Banco Espírito Santo (BES), escreve as suas memórias, que ainda não têm título e que gostaria de ver publicadas antes do fim de 2017, e prepara a defesa. É arguido em centenas de processos. Aos que agora querem fazer dele o responsável por tudo o que aconteceu no BES, Ricardo Salgado deixa um recado: “Eu vou lutar até ao fim, até à exaustão.”
PUB

Numa conversa que se adivinha longa com o suplemento económico Dinheiro Vivo (a entrevista que dela resultou ocupa seis páginas de jornal), Salgado mostra-se particularmente crítico da actuação do anterior chefe de Governo, Pedro Passos Coelho, e do ainda governador do Banco de Portugal (BdP), Carlos Costa.

Entre ouras coisa, acusa o governador de incoerência por ter atacado o banco que dirigia por causa do conglomerado misto (formado pelo Grupo Espíriro Santo, entidade que reunia as empresas não financeiras, e pelo BES, a parte financeira), modelo que na comissão parlamentar de inquérito contestou com “uma veemência pouco habitual no Dr. Carlos Costa”, e de agora ter aprovado a aquisição do BPI pelo CaixaBank e a participação da Fosun no Millennium BPC (ambos conglomerados mistos, mas estrangeiros).

Para o antigo banqueiro, esta posição do regulador não só foi discriminatória, como levou à resolução do banco – “o Banco de Portugal provocou o colapso e os lesados do BES”.

Defendendo que a venda forçada do Novo Banco é um erro e que o fundo a que vai ser entregue, o Lone Star, é conhecido por ser “oportunista”, aponta outros caminhos que teriam sido preferíveis. “Era preciso salvar em vez de matar o banco”, diz, classificando a sua venda como um “desastre” graças à pressão de Carlos Costa e sugerindo que a melhor solução teria sido a sua aquisição pela Caixa Geral de Depósitos (CGD) ou pelo Banco Comercial Português (BCP). A capitalização pelo Estado através do Fundo de Fomento seria também uma alternativa.

E para explicar que a resolução do BES era, na sua opinião, “perfeitamente evitável”, Ricardo Salgado, que deixou o banco a 13 de Julho de 2014, continua apontando o dedo ao governador, ao afirmar que o BdP rejeitou duas propostas de recapitalização do banco – uma a 11 de Julho e outra a 16 – sem que Carlos Costa chegasse a receber, sequer, os investidores interessados.

“[Quem prejudicou os lesados do BES foi o BdP]. Foi a decisão do Banco de Portugal somada à decisão inusitada de se acabar com o nome Espírito Santo que apagou das fachadas dos prédios uma marca com 140 anos. É absolutamente inexplicável!” Foi também o banco central que imediatamente declarou culpados os gestores do banco e, assim, desencadeou um processo de “intoxicação” da opinião pública portuguesa. “É preciso lembrar que eu já não estava no BES no momento da resolução. Se o objectivo era destruir-me, não era preciso tanto.”

Dada a importância que o banco tinha para a economia, nomeadamente no apoio às Pequenas e Médias Empresas (PME) em Portugal, Ricardo Salgado não tem dúvidas de que qualquer outro governo “com o mínimo de responsabilidade e sem intuitos populistas”, teria evitado a queda do BES.

Ao alcance das críticas ficaram também os responsáveis pelo braço do banco em Angola. Álvaro Sobrinho, presidente-executivo do BESA, e um dos seus administradores, Hélder Bataglia, fizeram uma “gestão ruinosa” denuncia. “Os dois tiveram um papel terrível na destruição daquilo que foi feito em Angola.”

Quanto aos lesados do papel comercial do BES, que representava, segundo Salgado, dois mil milhões de euros do total de 35 mil milhões de depósitos do banco, a intenção sempre foi reembolsar os clientes, algo que se tornou impossível a partir do momento em que o governador Carlos Costa aplicou a resolução, afirma mais do que uma vez ao longo da entrevista. As provisões que estavam disponíveis no BES para garantir esse reembolso, sublinha, foram transferidas para o Novo Banco e posteriormente usadas para “recompor o [seu] balanço”.

Respondendo a perguntas sobre o seu alegado desconhecimento do montante da dívida da holding Espírito Santo Internacional, o antigo banqueiro garante ao Dinheiro Vivo não ter dado quaisquer instruções para que as contas fossem manipuladas. Embora não se isente de erros, assegura ainda ter tomado todas as decisões na convicção de que eram as melhores para o banco, os clientes, os colaboradores e os accionistas.

Presidente da comissão executiva do BES durante 22 anos, Ricardo Salgado não pondera, no entanto, pedir desculpa aos lesados: “Os clientes foram usados pela medida de resolução […]. Não fui eu que optei pela resolução, nem que a preparei ou executei […]. Assumo as responsabilidades pelos meus actos, mas não pelos do Banco de Portugal.”
A Altice e a reforma

Na segunda parte da longa entrevista, a primeira que concede desde o colapso do BES, há três anos, Salgado refere-se ainda à actualidade portuguesa, política e não só. Diz que a “geringonça” não o surpreendeu porque compreende muitas das medidas que os partidos mais à esquerda querem trazer e que a estabilidade política, para a qual muito tem contribuído a acção do Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa, tem permitido aumentar a confiança na economia.

“Moderadamente optimista” em relação ao país, defende uma “reanálise” do sistema bancário português no que toca às decisões políticas e, como seria de esperar, à supervisão. A reorganização do sector deve ser feita com recurso a novos bancos que apoiem as empresas e a economia: “Não serão os grandes bancos internacionais que vão apoiar os portugueses, nomeadamente na crise. E pensar que os bancos gigantes não vão ter problemas é uma ideia errada.”

No sector das telecomunicações Salgado pronuncia-se sobre a OPA da Altice sobre a TVI para dizer que reconhece potencial à empresa, embora admita que está numa “fase muito complicada que a faz tomar decisões complicadas” que afectam, nomeadamente, os trabalhadores da PT.

Evitando críticas ao primo José Maria Ricciardi e comentários sobre a Operação Marquês que envolve o socialista José Sócrates, o antigo banqueiro garantiu que não teve qualquer papel na escolha de Manuel Pinho para a pasta da Economia no governo do antigo primeiro ministro que também está a contas com a Justiça. Quase a terminar falou ainda da reforma de 90 mil euros, que diz ser só no papel, por causa do fisco e de uma alteração no fundo de pensões, para dizer que o que dela resta é “talvez menos de um terço” desse valor inicial. (Publico)

DEIXE UMA RESPOSTA