Repórteres Sem Fronteiras condenam suspensão da RTP e da RDP na Guiné-Bissau

A RTP e a RDP estão impedidas de exercer atividade no país desde sexta-feira (DR)

A suspensão da atividade da RTP e da RDP na Guiné-Bissau levou a que a organização Repórteres Sem Fronteiras condenasse essa atitude. Falam em “violação da liberdade de expressão e informação”.

A organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF) condenou esta terça-feira a suspensão das atividades da RTP e da RDP na Guiné-Bissau, considerando que é “uma grave violação da liberdade de expressão e do direito de acesso à informação”.

Num comunicado enviado à agência Lusa, a organização considerou que “não é normal que os jornalistas paguem o preço de conflitos políticos”.

Ao encerrar estes meios de comunicação social para pressionar Portugal, a Guiné-Bissau fica privada de vozes essenciais que contribuem para a pluralidade de opiniões em tempo de crise”, referiu a organização de defesa da liberdade de imprensa.

Na sexta-feira, o ministro da Comunicação Social guineense, Vítor Pereira, anunciou a suspensão das atividades da RTP, da RDP e da agência Lusa na Guiné-Bissau, alegando a caducidade do acordo de cooperação no setor da comunicação social assinado entre Lisboa e Bissau. No entanto, posteriormente, anunciou que o Governo guineense recuou na decisão de suspender a atividade da agência Lusa naquele país, mantendo-se a decisão no caso da RTP e RDP. (Observador)

por Lusa

DEIXE UMA RESPOSTA