Produção industrial na Europa dá sinais de força em Maio

A produção industrial na Alemanha subiu 1,2% em Maio (DR)

O desempenho da indústria alemã superou estimado pelos economistas, em mais um sinal do bom momento da maior economia europeia.

A produção industrial na Alemanha subiu 1,2% em Maio, no quinto mês consecutivo de crescimento, o que ilustra o bom momento da maior economia europeia.

O aumento em Maio superou as previsões dos economistas, que apontavam para um aumento bem inferior (0,2%), bem como o desempenho registado em Abril, que foi revisto em alta para uma taxa de crescimento de 0,7%.

Na comparação homóloga, contra Maio do ano passado, a produção industrial da Alemanha cresceu 5%.

Igual comportamento registou o sector industrial em França e em Espanha, onde o desempenho ficou também acima das expectativas dos analistas. No país vizinho, a produção aumentou 1,2%, muito acima dos 0,5% esperados e o melhor registo este ano. Na variação anual, o aumento foi de 3%, contra um avanço de 0,5% na comparação homóloga do mês anterior.

Já na segunda maior economia do euro, França, a subida foi de 1,9% em Maio – mês que coincidiu com a eleição presidencial de Emmanuel Macron – a recuperar de uma contracção de 0,6% em Abril. A variação homóloga foi de 3,2%, muito acima dos 0,1% registados um mês antes.

Os últimos indicadores de confiança na Alemanha, maior economia europeia, apontam para que o nível de optimismo dos empresários alemães nunca foi tão elevado, o que conjugado com o desemprego em mínimos históricos, indicia que o crescimento da economia alemã poderá continuar a surpreender pela positiva.

“O forte dinamismo das encomendas no final de 2016 traduziu-se num forte crescimento da produção desde o início do ano”, refere o ministério da Economia em comunicado, adiantando que a expansão do sector da indústria está em 2017 a ser “mais abrangente e pronunciada”.

Um relatório publicado ontem apontava para um aumento das encomendas às fábricas alemãs em Maio, embora a um ritmo inferior ao estimado, com as exportações a liderarem o crescimento. (Jornal de Negócios)

DEIXE UMA RESPOSTA