Namibe: Academia de pescas é a concretização da visão do Executivo

Victória de Barros Neto, Ministra das Pescas (Foto: Clemente)

A ministra das Pescas Vitória de Barros Neto, realçou, nesta cidade, que a Academia de Pescas e Ciências do Mar do Namibe é a concretização de uma visão do Executivo que contempla a formação superior como elemento fundamental para o desenvolvimento económico e social do país.

A dirigente falava no acto de inauguração daquela instituição superior de ensino, que vem dar resposta à necessidade de haver quadros de nível superior com qualidade e quantidade para desenvolver o país no sector das pecas.

Notou que, no contexto actual, o ramo das pescas e da economia azul pode desempenhar um papel fundamental na dinamização da economia nacional, para quem o aproveitamento dos recursos biológicos existentes poderá alavancar a criação de emprego, a redução da pobreza e o fortalecimento da segurança alimentar do país.

Para si, o desenvolvimento do sector das pescas deve ser visto também num contexto social, beneficiando as comunidades mais carentes de pescadores artesanais a das mulheres vendedoras e processadoras de pescado.

Na realidade do pleno século XXI, explicou, o desempenho das pescas depende do acesso à ciência, à tecnologia e à inovação.

Adiantou que a exploração dos recursos marinhos, incluindo a captura e o processamento do pescado passou a ser um conjunto de operações complexas que requerem o uso de tecnologias modernas e sofisticadas.

Fez saber que as metas ambiciosas do desenvolvimento do sector das pescas só poderão ser atingidas com a criação de quadros nacionais altamente qualificados.

A seu ver, a dependência de quadros expatriados limita a rentabilidade e sustentabilidade de investimentos no ramo.

De acordo com a ministra das pescas, a participação de professores polacos e de outras nacionalidades durante os próximos anos garantirá o cumprimento de normas internacionais vigentes no ensino superior das ciências do mar no país.

Realçou, ainda, que a formação de qualidade a ser proporcionada na Academia do Namibe reduzirá significativamente a necessidade de enviar bolseiros para o estrangeiro neste domínio.

Fez saber que a Academia do Namibe poderá receber estudantes de outros países da região que não dispõem de universidades semelhantes fazendo com que Angola surja como exportador de serviços educacionais de alto nível.

A instituição, constituída por três faculdades, nomeadamente, a de Pescas, de Processamento de Pescado e a de Exploração de Recursos Aquáticos, foi inaugurada pelo vice-presidente da República, Manuel Vicente, em representação do Presidente da República, José Eduardo dos Santos. (Angop)

DEIXE UMA RESPOSTA