Mãe atira filho para fogueira e segura-o até este morrer

A mãe e a criança (DR)

Crime hediondo aconteceu no estado de Goiás

Alexandre Coutrim Rodrigues, um menino brasileiro de apenas dois anos e 10 meses de idade, teve uma morte horrível, ao ser empurrado para o fogo pela própria mãe. O bebé foi atirado vivo para uma fogueira de lixo e preso lá pela mãe, Simone Coutrim Moreira, de 29 anos, até ela se certificar de que o filho estava morto.

O cruel crime aconteceu domingo passado no quintal da casa da família, na zona rural da cidade de Piranhas, região oeste do estado brasileiro de Goiás, mas só esta sexta-feira a polícia divulgou a confissão da acusada, obtida quinta-feira à noite.

Até à confissão, Simone mantinha a versão de que tudo tinha sido um trágico acidente, e que, num descuido dela ao voltar para dentro da casa depois de ter ateado fogo no quintal a uma fogueira com lixo e folhas, o bebé tinha caído nas chamas. Logo de início os agentes da esquadra de Piranhas desconfiaram da história, pois, mesmo que tivesse caído na fogueira a arder, um menino de quase três anos teria conseguido sair das labaredas ou, ao menos, gritado o suficiente para a mãe ouvir e acudir.

Submetida a vários interrogatórios, a mulher manteve a versão inicial vários dias mas esta quinta-feira acabou por não resistir à pressão e confessou o horrível crime. De acordo com o jornal “Tribuna Piranhense”, que teve acesso ao registo audio confissão de Simone à polícia, ela conta que andava muito nervosa com a vida que levava, vivendo isolada numa propriedade rural e sem ninguém que a ajudasse a cuidar da casa e dos três filhos pequenos.

No dia do tresloucado acto, de acordo com o que contou na esquadra, ela estava mais nervosa ainda e cometeu o crime brutal por não suportar mais o choro de Alexandre, que nesse dia também estava mais inquieto do que de costume e não parava de andar atrás dela a chorar. Quando o marido, Edimário Rodrigues Luciano, saiu, ela empilhou no quintal um monte de lixo, folhas secas e pequenos ramos de árvores e ateou-lhes fogo.

Depois, agarrou o pequeno Alexandre, regou-o com álcool e atirou-o para a fogueira. Dando detalhes que estarreceram até os agentes, Simone contou que o bebé, como é natural, tentou sair das chamas e se debateu, mas que ela o segurou em cima do fogo prendendo-o contra as labaredas com um pedaço de madeira até que o bebé deixou de se debater. Após a confissão, Simone foi incriminada pelo assassínio de Alexandre e foi encaminhada para uma prisão da região. (Correio da Manhã)

DEIXE UMA RESPOSTA