Irão rejeita pedidos de Washington de liberar americanos detidos

O Irã rejeitou os pedidos da Casa Branca para liberar os americanos detidos na República Islâmica, alegando que as autoridades não têm controle sobre o poder judicial (Afp)

O Irão rejeitou, neste sábado, os pedidos da Casa Branca para liberar os americanos detidos na República Islâmica, alegando que as autoridades não têm controle sobre o poder judicial.

“O poder judicial, os tribunais e os juízes são totalmente independentes, como em qualquer outro país”, declarou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Bahram Ghasemi, em um comunicado.

A Casa Branca exortou, na sexta-feira, Teerão a repatriar rapidamente os americanos detidos no Irão, ameaçando “novas” sanções caso isso não fosse feito.

A advertência foi feita em um contexto de tensão entre Washington e Teerão, poucos dias depois do presidente Donald Trump anunciar uma nova série de sanções contra o Irão.

“O presidente Trump está preparado para impor novas e graves sanções contra o Irão, a menos que todos os cidadãos americanos detidos injustamente sejam libertados e devolvidos”, destacou a Casa Branca em um comunicado.

O porta-voz iraniano denunciou um “comunicado intervencionista e ameaçador” e afirmou que este “não terá nenhum efeito na vontade e na determinação do sistema judicial de julgar e punir os criminosos e os que violam as leis do país e a segurança nacional”.

A advertência de Washington, que não tem relações diplomáticas com Teerão desde 1980, chegou cinco dias depois das autoridades judiciais iranianas anunciarem a condenação de um sino-americano a 10 anos de prisão.

O homem foi identificado como Xiyue Wang, um pesquisador de 37 anos da Universidade de Princeton.

Além de Wang, o comunicado da Casa Branca cita também os irano-americanos Siamak e Baquer Namazi e o ex-agente do FBI Robert Levinson, que desapareceu no Irão em 2007.

“Como já anunciamos às autoridades americanas em várias ocasiões, a pessoa chamada Robert Levinson viajou ao Irã há vários anos e o Irão não dispõe de nenhuma nova informação sobre seu destino desde que abandonou o território iraniano”, afirmou Ghasemi.

O porta-voz criticou por outro lado a detenção “infundada” nos Estados Unidos de vários iranianos nos últimos anos. (Afp)

AFP

DEIXE UMA RESPOSTA