Ler Agora:
Investimento de 10 M€ em fábrica de calçados e uniformes militares
Artigo completo 2 minutos de leitura

Investimento de 10 M€ em fábrica de calçados e uniformes militares

O Estado angolano vai investir mais de 10 milhões de euros na criação de uma empresa pública para produzir calçados e uniformes militares, conforme decisão governamental a que a Lusa teve acesso.
A constituição da Empresa Fabril de Calçados e Uniformes – Empresa Pública (EP) foi aprovada em reunião de Conselho de Ministros a 07 de junho e o decreto presidencial com a sua formalização publicado já este mês.

O documento refere a “necessidade de se reduzir os custos de importação de uniformes e calçados militares” para justificar a criação desta fábrica estatal, mas também a “importância estratégica” que representa essa produção, sobretudo para os efetivos militares.

A empresa terá sede na zona industrial do Cazenga, arredores de Luanda, e poderá ainda estabelecer filiais ou sucursais noutros pontos do país ou mesmo representações no exterior do país, conforme previsto no seu estatuto orgânico.

A sua criação implica um capital estatutário inicial, público, de 1.920 milhões de kwanzas (10,1 milhões de euros), entre capital fixo e circulante, ficando sob tutela do Ministério da Defesa Nacional.

Apesar de ter por “objeto principal a confeção de calçados e uniformes militares”, a empresa poderá exercer outras atividades comerciais “desde que não prejudiquem a prossecução do seu objeto principal”.

Os três ramos das Forças Armadas Angolanas integram atualmente mais de 100.000 militares, somando-se ainda as forças de segurança, bombeiros e proteção civil.

A Lusa noticiou em 2015 que Angola aprovou a compra de fardamento e outro equipamento militar no valor de 44,6 milhões de dólares (quase 40 milhões de euros) a uma empresa chinesa.

Segundo um despacho do Presidente angolano autorizando a compra, a que a Lusa teve na altura acesso, o negócio envolvia a China Xinxing and Export Corporation, que segundo informação da própria empresa conta com 180.000 trabalhadores e mais de 50 subsidiárias da área militar, como fábricas de vestuário, calçado e proteção individual.

A empresa chinesa refere ter negócios com 40 países africanos, para onde vende anualmente mais de 100 milhões de dólares (88,9 milhões de euros) em equipamentos. (Diário de Notícias)

por Lusa

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos com são obrigatórios *

Input your search keywords and press Enter.
Translate »