Greve nacional dos enfermeiros anunciada para 17 e 18 de Julho suspensa – sindicato

(DR)

A greve nacional dos enfermeiros que estava programada para os dias 17 e 18 de Julho foi suspensa, tendo em conta a promessa do Ministério da Saúde de aprovar os seus estatutos até final do ano.

Em declarações à Inforpress, o presidente do Sindicato Nacional Democrático dos Enfermeiros(SINDEF), José Sanches, explicou que essa garantia foi dada pelo Ministério da Saúde durante o encontro de negociação que teve lugar na Direcção-Geral do Trabalho (DGT) este fim-de-semana e que contou com a participação do director do Hospital Agostinho Neto da Praia, Júlio Andrade.

“Chegamos a um acordo e a greve foi suspensa, porque o Ministério comprometeu-se em devolver-nos os estatutos aprovados até o final do ano e isso satisfaz o interesse dos enfermeiros. Masno caso do não cumprimento, voltamos novamente à greve”, assegurou o sindicalista, garantindo que será feita a monotorização permanente à tutela.

De acordo com José Sanches que esteve na reunião da DGT acompanhado dos membros do Sindicato Nacional dos Enfermeiros e Técnicos de Saúde (SNETS), vai ser criada uma comissão de trabalho no espaço de 10 dias e esta terá 30 dias para produzir o relatório da situação, sublinhando que se tal comissão não estiver a funcionar no prazo proposto, os enfermeiros vão começar a “atacar”.

“Que o Ministério da Saúde não pense que, pelo facto de suspendermos a greve, a situação está resolvida”, salientou, precisando que a situação ficou “pontualmente” resolvida, visto que com a aprovação dos estatutos, vetados no início de 2016, a grelha salarial será actualizada, a lista de transição aprovada, resolvida os pendentes e a situação do descanso semanal dos enfermeiros.

À semelhança dos outros funcionários de quadros privativos da Administração Pública que já viram aprovados os estatutos, a grelha salarial e a lista de transição, os enfermeiros exigem a aprovação destes mecanismos ainda este ano, de acordo com os compromissos assumidos pelo Governo em sede de concertação social.

Entre as reivindicações dos enfermeiros estão também a implementação do curso de complemento de licenciatura em Enfermagem em todas as ilhas e concelhos do país, actualização do plano de evacuações dos doentes no que concerne ao pessoal da classe (seguro, viagem e subsídio de deslocação), implementação de subsídio de risco a todo o pessoal de Enfermagem do país, entre outros. (Inforpress)

DEIXE UMA RESPOSTA