Futebol: Kabuscorp incapaz de superar Bravos do Maquis em casa

Kabuscorp entra a vencer no Girabola2016 ((Foto: António Escrivão/Arquivo)

O Kabuscorp do Palanca foi incapaz de aproveitar o factor casa, ao consentir empate (1-1) hoje, em Luanda, diante do FC Bravos do Maquis, no jogo da 18ª jornada do Campeonato Nacional de futebol da primeira divisão (Girabola2017), disputado no Estádio 11 de Novembro.

Em desafio pautado por um relativo equilíbrio e excesso de cartões amarelos (advertências), os golos foram marcados por Luís Tati e Jó, aos 31 e 46 minutos, por parte dos palanquinos e maquizardes.

Inicialmente foram os anfitriões a tomarem as rédeas da partida, com remate de Jaques para a baliza dos visitantes. Em resposta, Miro não consegue aproveitar a sua posição privilegiada na área do adversário, aos 15 minutos.

Decorridos 30 minutos, a tónica do encontro pendia para o equilíbrio entre os contendores. Da pressão exercida, o Kabuscorp inaugura o marcador por Luís Tati, na sequência de um forte remate do lado esquerdo, sem hipóteses de defesa do guarda-redes Dadão.

Borges é rendido por Jó na formação da província do Moxico, volvidos 35 minutos. Nesta toada, a contenda chega ao intervalo com vantagem mínima para a equipa de Luanda.

No reatamento, os maquizardes empatam por Jó, fruto de uma jogada combinada, que deixa atónito os defesas palanquinos e a claque “fervorosa” no campo.

Em virtude, os visitantes se agigantam e passam a incomodar com mais frequência o reduto contrario. Aos 50 minutos, o treinador Romeu Filemon mexe no seu Kabuscorp, com saída de Manuel e entrada de Nelito.

O guardião Dadão é obrigado a uma defesa arrojada para safar, mais uma vez, o esférico que se encaminhava perigosamente em direcção a baliza dos Bravos do Maquis.

Aos 61, Jaques volta “aquecer” as luvas do guarda-redes maquizarde, que praticamente se converte em salvador dos representantes do colectivo do leste do país. Já na fase derradeira, Milex entra no lugar de Alex, na formação do treinador Zeca Amaral.

Da outra parte, substituição de Mongo por Fundo, bem como a de Chole por Dani, nos Bravos do Maquis, que decididamente tentam travar as investidas dos seus oponentes.

Apesar disso, a igualdade prevalece até ao apito final do árbitro Benjamim Andrade, que teve de recorrer a seis cartões amarelos, para impor a disciplina no jogo.

Com este resultado, o Kabuscorp, terceiro colocado, soma 34 pontos, enquanto o Bravos do Maquis é 11º, com 20. (ANGOP)

DEIXE UMA RESPOSTA