Descoberta no México: Torre de crânios revela factos surpreendentes da cultura asteca

(DR)

Arqueólogos descobriram uma torre feita de cerca de 700 crânios humanos por baixo da Cidade de México. A descoberta revela novos detalhes sobre a cultura de sacrifício ritual entre os povos astecas, que viviam na região séculos atrás.

Os crânios, cobertos com cal, e milhares de fragmentos, integrados à torre, foram encontrados perto do Templo Mayor, um dos principais templos de Tenochtitlán, que era considerada a capital do Império Asteca, hoje conhecida como Cidade do México. O santuário assustador pode vir a conter ainda mais restos; as escavações continuam.

Acredita-se que a torre faça parte do altar Huey Tzompantli, um conjunto massivo de crânios que assustou os colonizadores espanhóis quando invadiram a cidade no século 16, liderados por Hernan Cortes. As cabeças dos lutadores perdedores adornavam a Tzompantli ou paredes de crânios, que foram encontradas em várias culturas mesoamericanas antes da descoberta pelos espanhóis.

O que surpreendeu mais os cientistas foi o facto de que entre os crânios da torre há também femininos e infantis. Isso põe em questão tudo o que os especialistas sabiam sobre as tradições dos astecas.

“Esperávamos encontrar apenas crânios de homens, principalmente jovens, possíveis guerreiros, pois não pensávamos que mulheres e crianças lutassem”, disse Rodrigo Bolanos, antropologista biológico, que investiga os achados.

“Está acontecendo algo de que não temos dados, isso é realmente novo, pela primeira vez no Huey Tzompantli.”

Os astecas e outras culturas mesoamericanas realizavam rituais de sacrifício humano, onde as vítimas eram oferecidas ao Sol. O Huey Tzompantli, com diâmetro de cerca de 6 metros, está situado perto da capela de Huitzilopochtli, deus do Sol e de guerra dos astecas. (Sputnik)

DEIXE UMA RESPOSTA