Crise política leva Temer a abandonar a cimeira do G-20

O presidente Michel Temer (Foto: Ueslei Marcelino/Reuters/Arquivo)

O Presidente brasileiro deixou este sábado, 8, Hamburgo antes da conclusão da cimeira do G-20, que termina apenas no fim do dia.

Na base deste regresso antecipado de Michel Temer, antes da conclusão do comunicado final da reunião das 20 economias mais poderosas do mundo, está a crise política e a crescente “opinião generalizada” de que o Presidente poderá ter às costas um processo de impugnação, enquanto Rodrigo Maia, actual presidente da Câmara dos Deputados, assume posições claramente “presidenciais.

Em caso da abertura de um processo de impugnação a Temer, Maia assumiria o Palácio do Planalto.

Em Hamburgo, Michel Temer disse à imprensa estar “tranquilíssimo” sobre o regresso.

O Presidente perdeu, com isso, a última sessão com os demais líderes, incluindo o americano Donald Trump e o francês Emmanuel Macron e também não acompanhou a emissão do comunicado conjunto, que é o tradicional documento do fim da cimeira.

A breve viagem de Temer coincidiu com graves movimentos políticos, incluindo a declaração do senador Cássio Cunha Lima (PSDB), de que, se depender da tramitação da denúncia contra o peemedebista, “dentro de 15 dias o país terá um novo Presidente”.

Temer disse na sexta-feira, 7, em Hamburgo, que foi “força de expressão”. (Voa)

DEIXE UMA RESPOSTA