Censo geral arranca amanhã em todo o país

INE moçambicano vai utilizar instalações de órgão eleitoral para Recenseamento Geral da População (DR)

ARRANCA amanhã no país o IV Recenseamento Geral da População e Habitação, operação que até 15 de Agosto deverá abranger perto de cinco milhões de agregados familiares e registar mais de 27 milhões de pessoas.

Numa mensagem à nação divulgada ontem, o Presidente da República, Filipe Nyusi, exorta todos os cidadãos moçambicanos e estrangeiros residentes no país a colaborarem com a equipa de recenseadores, lembrando que o recenseamento vai permitir saber quantos somos, onde e em que condições moramos, pontos de partida para o Governo desenhar políticas públicas mais consentâneas com a realidade e necessidades da população.

“Por isso, gostaríamos de reiterar o apelo a todos os residentes no território nacional, independentemente da sua nacionalidade, religião e orientação ideológica, para colaborarem com a equipa de recenseadores do Instituto Nacional de Estatística, na hora do censo, ou a instruir os residentes e ocupantes das suas residências a ficarem disponíveis para preenchimento correcto dos boletins de recenseamento”, refere Filipe Nyusi na sua mensagem.

Durante os 15 dias, espera-se apurar, para além do número de habitantes de Moçambique e as suas características (idade, estado civil, língua, profissão, educação), o tipo de habitação usada pelos moçambicanos.

“Em 2007, o censo apurou que éramos 20,8 milhões de habitantes. Em 2017, de acordo com as nossas projecções, a população do país está estimada em cerca de 27,1 milhões. Neste senso, esperamos superar este número”, referiu Cirilo Tembe, porta-voz do Instituto Nacional de Estatística (INE).

Segundo a fonte, para permitir que todos os agregados familiares sejam contabilizados, incluindo aqueles cujos chefes de família desenvolvem as suas actividades fora, os recenseadores darão um pré-aviso de que irão escalar a casa num determinado dia, para que este esteja preparado para os receber.

Caso haja indisponibilidade da família em recebê-los nesse dia, esta é livre de combinar com o recenseador para uma outra data que seja conveniente, que seja, por exemplo, um final de semana, desde que seja dentro do período definido para o censo.

A operação vai abranger, além de residentes em habitações tradicionais, os cidadãos que vivem em lares, centros internatos, quartéis e outros lugares de aglomeração, bem como migrantes à data do recenseamento.

Ao todo, estão mobilizadas 196 mil pessoas, entre recenseadores, controladores, guias, motoristas e pessoal de apoio para trabalhar no censo. Estão disponíveis 131 viaturas com tracção às quatro para apoiar na operação, além de 750 motorizadas e 10 mil bicicletas, meios a serem utilizados exclusivamente para a recolha de dados no quadro do censo 2017.

A recolha de dados no quadro do IV Recenseamento Geral da População e Habitação – Censo 2017 vai decorrer em cerca de 70 mil áreas de enumeração em todo o território nacional. As áreas de enumeração são pequenos espaços delimitados no terreno com vista a facilitar, por um lado, a localização dos agregados familiares e, por outro, para determinar o espaço de trabalho dos agentes recenseadores. (Jornal de Notícia MZ)

DEIXE UMA RESPOSTA