CEAST apela políticos a comprometerem-se com a Pátria

(DR)

Dom José Manuel Imbamba disse que é necessário que os políticos e os seus militantes cimentem a democracia que se quer para o país, a fim de que se alcance a plena paz e a reconciliação nacional

O vice-presidente da Conferencia Episcopal de Angola e São Tome (CEAST) e arcebispo metropolita da Arquidiocese de Saurimo, apelou aos políticos no último fim de semana,na cidade do Lubango, para comprometerem-se com a Pátria.

Dom José Manuel Imbamba fez este apelo durante a cerimónia de abertura das festas de Nossa Senhora do Monte, padroeira da cidade do Lubango.

Na ocasião, o também arcebispo metropolita da Arquidiocese de Saurimo, disse que é necessário que os políticos e os seus militantes cimentem a democracia que se quer para o país, a fim de que se alcance a plena paz e a reconciliação nacional.

“É necessário que os partidos políticos e seus militantes saibam que o que está acima de tudo é o país, é a nação onde todos nós devemos nos rever e encontrar e toda esta partilha de sentimentos, de inteligência e de pontos de vista diferentes, devem concorrer para o bem da nação e para o bem de todos os angolanos”, disse.

Para o prelado católico, a democracia não é apenas o pluripartidarismo, ou as eleições, mas é a capacidade de acolher o irmão e de conviver na diversidade e a procura da unidade de forma que se possa viver com irmãos. Em relação ao período de campanha eleitoral, Dom José Manuel Imbamba disse que este momento não pode servir para o desenvolvimento de conturbações ou de discórdias.

“A campanha eleitoral não pode ser um ponto de alimentarmos as nossas discórdias ou as nossas diferenças. Pelo contrário, as diferenças devem existir para o enriquecimento mútuo, para o enriquecimento do país, e assim podermos todos olhar de facto para o bem do país e bem da democracia!

A democracia, não são as eleições, a democracia é o nosso dia-a-dia”, sublinhou. Para os actores políticos que concorrem para as eleições de Agosto próximo, o arcebispo de Lunda-Sul chama a atenção para que os mesmos dirijam os seus discursos e acções no sentido de alicerçar a paz no país.

“A mensagem que eu quero deixar ao políticos é a mensagem de que eles possam se comprometer com a Pátria, se comprometerem com os angolanos, se comprometerem com a reconciliação nacional, com a paz, com a unidade nacional e com tudo aquilo que vai fazer Angola crescer para o progresso humano, social e cultural”, recomendou. (O País)

DEIXE UMA RESPOSTA