Bolsonaro só aprovou 3 propostas em 26 anos. E uma delas custará R$ 2,5 bi ao país

(DR)

Cotado para a eleição presidencial de 2018 no Brasil, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) aprovou apenas dois projetos e uma emenda em uma trajetória de 26 anos no Congresso Nacional. O levantamento foi publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo neste domingo.

Desde que chegou ao Parlamento federal, em 1991, Bolsonaro já apresentou 171 projetos de lei, de lei complementar, de decreto de legislativo, e propostas de emenda à Constituição (PECs). Segundo especialistas ouvidos, é uma boa produção parlamentar para os padrões nacionais.

Contudo, apenas viraram lei uma proposta que estendia o benefício de isenção do Imposto sobre Produto Industrializado (IPI) para bens de informática, e outro que autorizava o uso da chamada “pílula do câncer” – a fosfoetanolamina sintética.

As duas propostas de Bolsonaro acolhidas pelos demais parlamentares são bem diferentes da pauta pró-militares e a favor da segurança pública que, em grande parte, justificam a sequência de mandatos consecutivos do capitão da reserva do Exército brasileiro.

Uma terceira iniciativa do deputado do PSC a ser aceita no Congresso foi uma emenda de 2015, que determina a impressão de votos das urnas eletrônicas. Bolsonaro é um dos parlamentares que mais questionou, ao longo dos anos, a lisura do processo eleitoral.

De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a impressão do voto nas urnas eletrônicas em todo o País deverá custar R$ 2,5 bilhões aos cofres públicos nos próximos dez anos. Para ministros da Corte, a reprodução do voto em papel vai provocar uma série de transtornos a partir do ano que vem, como aumento nas filas e no número de equipamentos com defeitos.

Alheio à tal polêmica, Bolsonaro ainda busca um partido para se lançar candidato à Presidência da República no ano que vem. Potencial não lhe falta: o parlamentar apareceu bem nas pesquisas do Datafolha (16%) e do site Poder 360 (21%).

O que é certo é que, segundo o próprio deputado, ele não seguirá no PSC, tampouco que se candidatará a um novo mandato para a Câmara. Se não se viabilizar como cabeça de chapa, não está descartada a possibilidade de Bolsonaro integrar outra chapa – ele mesmo já falou sobre as chances de, por exemplo, compor uma candidatura com João Dória (PSDB). (Sputnik)

DEIXE UMA RESPOSTA