Benguela: Diagnosticados mil e 50 novos casos positivos de VIH/SIDA

BENGUELA: BANCO DE URGÊNCIA DO HOSPITAL GERAL DE BENGUELA (Foto: Angop)

Mil e 50 novos casos positivos do VIH/SIDA foram diagnosticados de Janeiro a Maio último, em 30 mil utentes testados em diferentes unidades sanitárias da provincial de Benguela, com idades compreendidas dos 25 a 49 anos.

A informação foi avançada pela chefe de departamento da Saúde Pública, Adelaide Filipa, que falava este sábado a margem da apresentação Pública do projecto denominado “ Reforço do Sistema de Saúde” na vertente da prevenção da malária, VIH, e tuberculose, sob iniciativa da Organização Humanitária Internacional (OHI).

A responsável sem avançar dados comparativos em relação a igual período anterior nem municípios mais afectados, considerou preocupante a questão epidemiológica do HIV SIDA na circunscrição, apesar de manter-se inalterável desde 2009, em 4 por cento, o seu grau de prevalência.

Na mesma ocasião afirmou que, no primeiro trimestre de 2017 foram notificados dois mil 453 doentes com tuberculose, sendo os municípios de Benguela registado o maior número com 909 casos, seguido do Lobito com 636 e o Cubal com 220, que resultou em 19 óbitos, entre crianças e adultos.

A responsável instada a pronunciar-se sobre a actual situação da malária na província, defendeu a necessidade de adopção de medidas de prevenção para se evitar o surgimento de novos casos na região.

Neste propósito louvou a iniciativa da OHI em elaborar o Projecto de Reforço de Sistema de Saúde, que prevê a partir da próxima semana, a realização de campanhas e palestras de sensibilização e mobilização das comunidades do município de Benguela e do Lobito para o cumprimento de medidas de combate e prevenção contra a malária, tuberculose e HIV-Sida no período de 2017/2018.

Ressaltou também a importância da parceria que mantém desde 2002 com a Ong OHI na vertente do aumento da vigilância epidemiológica e desenvolvimento de acções sustentáveis no meio comunitário no país.

Conforme disse, apesar do executivo intensificar as acções de comunicação e informação sobre a importância da prevenção de doenças, os resultados esperados se revelam ainda insuficientes no seio das comunidades e em escolas.

Adelaide Silva reconheceu o esforço empreendido pelo Ministério da Saúde na redução das taxas de mortalidade no país, pelo que defendeu maior cooperação da sociedade para se trabalhar na divulgação de informações sobre os cuidados a ter para combater tais malefícios a saúde, que muitas vezes resultam em mortes.

Por outro lado, o director executivo da OHI, José Misselo da Silva disse que, um total de 65 milhões de kwanzas foram disponibilizados pelas Ongs “Visão Mundial” e financiados pelo Fundo Global para a execução da primeira fase do projecto de Reforço do Sistema de Saúde, que prevê também a capacitação dos mobilizadores em matérias ligadas a saúde publica, encontros e acompanhamento do tratamento á pessoas afectadas , na perspectiva de se minimizarem as consequências negativas.

Para o efeito, a Ong OHI conta com 48 activistas, estando distribuídos 35 para os municípios de Benguela e 13 para o Lobito, cuja meta é alcançar perto de 900 mil pessoas, localizáveis a partir de mercados informais, igrejas, estabelecimentos escolares entre outros e que receberão a informação, visando a disseminação das doenças e mudanças comportamentais.

Acrescentou que, a prevenção é a melhor forma de combater as epidemias, começando por incentivá-los a recorrência aos centros de aconselhamento e testagem voluntária do HIV, evitar a auto medicação, interrupção ao tratamento médico.

Precisou que, o objectivo geral da organização que dirige é assegurar que mais cidadãos possam beneficiar e ter acesso aos serviços de saúde, revitalização das parcerias para o desenvolvimento sustentável.

Participaram do evento técnicos e responsáveis de várias unidades do hospital do Lobito e Benguela, além de entidades eclesiásticas e organizações da sociedade civis.

A ONG Humanitária Internacional foi fundada em 2001, em Benguela, onde esta localizada a sua sede e conta com representações nos municípios do Lobito, Bocoio e Balombo. (Angop)

DEIXE UMA RESPOSTA