Angola participa na Conferência dos Chefes de Estado-Maior General da ONU

(AP Photo/Mary Altaffer)

Angola participou na 2ª Conferência dos Chefes de Estado-Maior General dos Países Membros da Organização das Nações Unidas (ONU), realizada de 6 a 7 do corrente mês, em Nova Iorque, Estados Unidos da América, para analisar os desafios das Operações de Manutenção de Paz.

A delegação angolana ao evento foi encabeçada pelo Chefe do Estado-Maior General Adjunto das Forças Armadas Angolanas para a Educação Patriótica, General António Egídio Sousa Santos “Disciplina”, em representação do Chefe do Estado-Maior General das FAA, General-de-Exército Geraldo Sachipengo Nunda.

A Conferência, decorrida sob o tema “Enfrentar os Desafios Actuais e Futuros das Operações de Manutenção de Paz”, examinou as mudanças nos ambientes estratégicos e operacionais desde a 1ª Conferência realizada de 26 a 27 de Março de 2015, também na sede da ONU, em Nova Iorque, na qual Angola participou com uma comitiva chefiada pelo General-de-Exército Nunda.

Esta 2ª Reunião procedeu a actualização das capacidades uniformizadas relativas às contribuições e ao desempenho das forças de manutenção da paz, analisou a integração e eficácia operacional das mulheres nas missões de paz e debruçou-se sobre a problemática questão dos abusos e exploração sexual praticados por pessoal da ONU em missões de paz.

A propósito, o encontro avaliou as medidas tomadas pelo Secretariado da ONU para enfrentar os desafios mais relevantes, tendo solicitado o apoio dos Estados membros no melhoramento das operações de manutenção da paz das Nações Unidas, com vista a acabar com os problemas e alcançar a paz e a estabilidade internacionais.

Intervindo na reunião, a Secretária-Geral Adjunta da ONU, Amina Mohamed, enfatizou que num mundo “crucial e complexo” como o de hoje, sustentar a paz requer uma série de habilidades e capacidades civis e militares, para unificar o trabalho de acordo com os pilares das Nações Unidas sobre Paz e Segurança, Desenvolvimento e Direitos Humanos.

Quanto às medidas a tomar para se pôr fim aos abusos e à exploração sexual, a responsável alertou que “não haverá sucesso nas missões de paz sem aumento do papel das mulheres no domínio de paz e segurança”, lembrando que as senhoras e meninas são as principais vítimas, pelo que o desdobramento das mulheres nas missões de paz aumenta as probidades de sustentar a paz e reduzir essa violência.

Por seu turno, o Sub-Secretário da ONU para as Operações de Manutenção de Paz, Jean Pierre Lacroix, afirmou que a visão de manutenção de paz do Secretário-Geral (SG) das Nações Unidas, António Guterres, coloca a política no centro das operações, desdobrando-se com uma geometria flexível e variável do mandato e do carácter da missão.

Sustentou que a visão do actual SG tornou-se ainda mais significativa tendo em conta a redução de 8,5% no orçamento da manutenção de paz, equivalente a cerca de 700 milhões de dólares, autorizada pela Assembleia Geral da ONU, exigindo uma priorização maior e um grande foco no uso eficiente de recursos.

Considerando a 2ª Conferência como um novo marco no esforço para projectar a manutenção de paz da ONU como parte fundamental da política de segurança nacional e internacional, Lacroix disse que com o término do mandato da Missão na Côte d’Ivoire existem actualmente 15 operações de manutenção de paz e cerca de 112.000 efectivos uniformizados e civis desdobrados em operações em todo o mundo.

Participaram na Conferência 381 entidades, entre eles Chefes de Estado-Maior General ou seus representantes e membros de organizações internacionais, com realce para a União Africana, União Europeia, Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) e Comandantes da MINUSCA (missão da ONU na RCA), MINUSMA (Mali), MONUSCO (RDC) e UNMISS (Sudão do Sul).

A delegação angolana integrou o Chefe do Gabinete de Intercâmbio e Cooperação Internacional do EMG/FAA, Tenente-General Carlos Filomeno de Sousa Couceiro, o Chefe da Capacidade Africana de Reacção Imediata às Crises (CARIC), Brigadeiro Dídimo João Capingana, e representantes do Ministério da Defesa na Missão Permanente de Angola junto da ONU e da Embaixada do país nos Estados Unidos da América. (Angop)

DEIXE UMA RESPOSTA