Angola e África do Sul ponderam parceria estratégica

JOAQUIM ESPÍRITO SANTO, DIRECTOR DO MIREX PARA ÁFRICA E MÉDIO ORIENTE (FOTO: JOAQUINA BENTO)

Angola e África do Sul ponderam evoluir para uma parceria estratégica duradoura, tornando as relações bilaterais inabaláveis a eventuais litígios ou mudanças políticas que ocorram nos dois países.

A informação foi passada hoje, terça-feira, em Luanda, pelo director para África e Médio Oriente do Ministério das Relações Exteriores (Mirex), embaixador Joaquim do Espírito Santo.

Segundo o embaixador, que falava na abertura da reunião técnica preparatória da IV Sessão da Comissão de Cooperação Bilateral entre Angola e a África do Sul, o encontro vai avaliar o cumprimento das decisões da III Sessão da Comissão de Cooperação Bilateral e a implementação dos acordos comuns.

De igual modo, na sessão que acontece 14 do mês em curso, na capital angolana, devem ser propostos temas para a agenda dos ministros, apontar soluções para ultrapassar os constrangimentos, bem como contribuir para impulsionar a cooperação.

Apesar dos 28 acordos rubricados entre os dois países nos distintos domínios de cooperação, deve-se ainda afinar os mecanismos de acompanhamento à sua implementação e avaliação periódica.

Por este motivo, defendeu a necessidade de se encontrar formas e de introduzir mecanismos capazes de galvanizar a cooperação entre os dois países, actualizando os instrumentos jurídicos rubricados. A finalidade é a de aproximar, cada vez mais os respectivos povos.

Defendeu que a cooperação bilateral deve assentar em vantagens mutuamente vantajosas.

Disse que a alavanca principal desta cooperação é o empresariado e o investimento privado.

O embaixador Joaquim do Espírito Santo considerou fundamental que Angola, pela aproximação geográfica com a África do Sul, explore mais as vantagens da cooperação bilateral.

Na ocasião, o chefe da delegação sul-africana, embaixador Xolisa Makaya, ressaltou a importância da cooperação entre os dois países, pois considerou que os dois estados têm muito a ganhar.

Localizados na região Austral de África, os dois países têm procurado desenvolver os seus laços de cooperação política, económica e cultural com grande dinamismo. (ANGOP)

DEIXE UMA RESPOSTA