Zona Económica Especial quer atrair empresários israelitas

(TRABALHADORES DE UMA DAS UNIDADES DA ZONA ECONÓMICA ESPECIAL-FOTO: CLEMENTE)

A Zona Especial Económica (ZEE) Luanda/Bengo pode ser uma das principais atracções para os empresários israelitas investirem no país e garantir a produção de bens e serviços, considerou nesta quarta-feira, em Luanda, o director-geral da Indústria de Torneiras Angtor, Edson Lobito.

Ao falar à imprensa durante uma visita de empresários israelitas, efectuada à Zona Especial Económica (ZEE), enquadrada no Iº Fórum Empresarial Angola – Israel, sob o lema “Juntos para o Desenvolvimento”, o responsável salientou que devem ser estudadas possibilidades e os sectores prioritários para aumentar a cooperação entre os empresários dos dois países.

Edson Lobito explicou que a empresa que dirige nesse momento está com uma capacidade de produção anual de 96 mil torneiras e pode triplicar caso abraçar a tecnologia israelita, podendo criar mais empregos, levando o país a produzir cada vez mais e melhor.

“Estamos com um volume de negócios em torno de quatro milhões de kwanza/mês, que teve um impacto negativo por causa das divisas, porque dependemos das necessidades de divisas para importar matéria-prima. Estamos com o plano revisto e contamos ter uma facturação nos próximos seis meses de 45 milhões de kwanzas”, disse.

Acrescentou que o balanço do ano anterior foi positivo, deveria ter sido melhor, tendo em conta o facto de registar crescimento nas vendas.

Já o director-geral da Câmara de Comércio Israel-Angola, Morris Revah, diz que os empresários israelitas ficaram impressionados com a dimensão e qualidade da Zona Especial Económica.

“Há um planeamento e preparação pelas entidades responsáveis desta unidade, incluindo todas as fases e necessidades das indústrias, infra-estruturas básicas e complexas desde tudo que um parque necessita e um empresário para fazer as suas empresas funcionarem”, frisou.

Adiantou que as condições estão criadas, esperando apenas que as situações financeiras do país e internacional estejam estabilizadas para o pleno funcionamento de pólos de investimento e desenvolvimento.

Realçou que tendo em conta a capacidade industrial de Israel podem ser seleccionadas a tecnologia de informação, distribuição de energia eléctrica, agrícola, indústrias relacionadas com a agricultura para serem estabelecidas parcerias entre os empresários dos dois países.

O Iº Fórum Empresarial Angola – Israel, sob o lema “Juntos para o Desenvolvimento”, contou com a participação de empresários angolanos e israelitas ligados à Câmara de Comércio Israel-Angola onde foram abordados temas como “Oportunidades de Negócio em Angola” e “Investir em Angola”, “Aquicultura em Angola”, “Oportunidades de Investimento na Agricultura” e “Oportunidade de Investimento no Sector Mineiro”.
O objectivo principal da futura Câmara de Comércio Angola-Israel é promover a entrada em Angola de mais empresas privadas e impulsionar as relações comerciais e económicas já existentes entre os dois Estados em diversas áreas.

Com a criação da Câmara de Comércio Angola-Israel, espera-se um aumento do volume de negócios, uma vez que mais empresas israelitas poderão instalar-se em Angola, desenvolvendo uma parceria mútua e vantajosa. (ANGOP)

DEIXE UMA RESPOSTA