Sobrinho de Xanana veste Boavista

Nilton Gusmão é dono da petrolífera ETO e considerado um dos homens mais ricos de Timor-Leste. (DR)

Os equipamentos do Boavista são agora assinados pela BLK, marca australiana adquirida, em Janeiro passado, por Nilton Gusmão, sobrinho do antigo líder timorense Xanana e que é considerado um dos homens mais ricos do país. É dono da petrolífera Esperança Timor Oan (ETO).

Nilton Gusmão tornou-se adepto e sócio do Boavista em 2001, na sua primeira visita a Portugal e precisamente no ano em que o clube do Bessa se sagrou campeão nacional de futebol. A paixão do sobrinho de Xanana pelos axadrezados estava estampada nas camisolas dos “panteras negras”, pois estas faziam-lhe lembrar as da selecção de Timor nos anos 70.

E é precisamente essa camisola timorense que, uma dúzia e meia de anos depois, serviu de inspiração ao novo equipamento do Boavista para a próxima época futebolística. O uniforme segue o clássico modelo xadrez em preto e branco, mas os quadrados são maiores do que o costume.

O que é que Nilton tem que ver com o novo vestuário do Boavista? Tudo. A marca australiana de equipamentos desportivo BLK (Beyond Limits Known), que o empresário timorense adquiriu, em Janeiro passado, em sede de liquidação da empresa, é a nova assinatura das camisolas dos axadrezados.

“O Boavista assinou uma parceria com a BLK, como novo ‘technical sponsor’ que cobre as suas necessidades de vestuário e ‘merchandising’”, anunciou o clube liderado por João Loureiro, em comunicado.

Conhecida por equipar várias equipas de râguebi, a BLK escolheu o Boavista como porta de entrada no mundo do futebol e, sobretudo, como montra da sua estratégia de expansão no mercado europeu.

“Como um dos clubes mais proeminentes do futebol português e europeu, esta assinatura estabelece uma nova referência para a BLK e uma oportunidade para mostrar a qualidade e amplitude de nossa oferta de produtos para o maior público possível”, afirma Tyron Brant, director executivo da BLK International.

Dono da petrolífera ETO e na corrida à Timor Telecom

A compra da BLK por Nilton Gusmão foi realizada através da sua petrolífera Esperança Timor Oan (ETO), empresa criada no ano 2.000 para fornecer combustível para a secção de logística do contingente militar australiano que então integrava as forças da ONU em Timor-Leste.

A ETO dedica-se à importação, distribuição e venda de combustíveis, sendo a principal fornecedora das centrais eléctricas do país, mantendo a ambição de vir a participar na exploração do Mar de Timor, constituindo-se como um dos compradores da produção nacional de petróleo e gás natural.

A aquisição da BLK faz parte da estratégia empresarial de Nilton Gusmão de ir além do sector da energia. A diversificação da sua paleta de negócios começou em 2006, quando fundou a G&S – Gilman & Serafim, Lda. na área da construção, e novos investimentos na indústria do betão e ainda na área do imobiliário.

Mais recentemente, a ETO entrou na corrida à compra da participação da brasileira Oi na Timor Telecom (TT), onde ficaria com o capital maioritário.

Em causa está a maior fatia de capital da TT (54,01%), controlada pela sociedade Telecomunicações Públicas de Timor (TPT) onde, por sua vez, a Oi controla 76% do capital, a que se soma uma participação directa da PT Participações SGPS de 3,05%.

Sobrinho de Xanana Gusmão, antigo presidente e primeiro-ministro de Timor-Leste, Nilton é presidente da Liga de Futebol de Timor e considerado um dos homens mais ricos do país. (Jornal de Negócios)

por Rui Neves

DEIXE UMA RESPOSTA