Situação “preocupante” em Pedrógão. Fogo alastrou a Coimbra e Castelo Branco

Incêndio em Pedrógão Grande (Foto: SIC Notícias)

Já foram identificadas 24 das vítimas. Combate aéreo está condicionado por causa das nuvens de fumo

Elísio Oliveira, comandante que lidera as operações no terreno, afirmou que a situação se “mantém difícil” nos três distritos afectados pelo incêndio que começou em Pedrógão Grande – Leiria, Coimbra e Castelo Branco – mas “está a evoluir favoravelmente”. “Muitos dos sectores deste teatro de operações já estão dominados, muitos deles em fase de rescaldo”, afirmou Elísio Oliveira.

O comandante operacional da Protecção Civil afirmou que o cenário continua a ser “preocupante”, dado que as condições meteorológicas se mantém adversas, não permitindo o uso dos meios aéreos disponíveis, nomeadamente os que fora disponibilizados pela ajuda internacional. Ainda assim, esta manhã choveu na zona de Pedrógão Grande. Os meios terrestres também “não conseguem aceder” a todos os locais.

Pelas 12 horas, o comandante realçou que se trata de um “cenário muito difícil e complexo” e que os bombeiros precisam de tempo para realizarem as operações de combate às chamas em segurança.

Elísio Oliveira sublinhou que não há alteração ao número de vítimas mortais e a ministra da Administração Interna avançou que das 62 vítimas mortais, 24 já foram identificadas. Para já, não há estrangeiros entre as vítimas.

Neste momento, a Estrada Nacional 236, entre Castanheira de Pera e Lousã, está cortada ao trânsito.

O incêndio que deflagrou no sábado no concelho de Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, alastrou hoje para os distritos de Castelo Branco e Coimbra, mantendo-se o balanço provisório de 62 mortos.

Segundo o balanço mais recente divulgado no domingo à noite, pela ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, 62 pessoas morreram e 62 ficaram feridas, duas delas em estado grave, na sequência do incêndio que afectou Pedrógão Grande e outros dois concelhos do distrito de Leiria.

Há ainda dezenas de deslocados, estando por calcular o número de casas e viaturas destruídas
No distrito de Leiria, além de Pedrógão Grande, foram também afectados os concelhos de Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera.

Já esta manhã, o comandante das operações de socorro, Elísio Oliveira, disse aos jornalistas que dez pessoas, três das quais acamadas, foram retiradas de casa pelos bombeiros na aldeia de Aguda, Figueiró dos Vinhos, devido ao incêndio que lavra naquela zona.

Esta noite a ANPC mudou o posto de comando operacional que estava instalado em Pedrógão Grande para o concelho de Ansião, também no distrito de Leira, dada a necessidade de ter uma “melhor cobertura de rede”.

A estrutura está agora localizada no mercado municipal da freguesia de Avelar, cerca de 20 quilómetros a oeste da localização anterior.

Nas últimas horas as autoridades reabriram todas as estradas do distrito de Leiria que estavam encerradas devido aos incêndios, mas mantém-se os cortes de vias nos distritos de Coimbra e Castelo Branco.

Dado o impacto do incêndio, o Ministério da Educação suspendeu as aulas e os exames nos concelhos de Pedrógão Grande, Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos (distrito de Leiria), Sertã (Castelo Branco) e Pampilhosa da Serra (Coimbra).

Temperaturas altas vão continuar

Os distritos de Leiria e Coimbra, muito afectados pelos incêndios, vão continuar hoje com temperaturas elevadas, a rondar os 38 graus celsius, e vento que pode ser moderado a forte, avançou à Lusa o meteorologista Bruno Café. As mesmas condições climatéricas vão registar-se em Santarém.

De acordo com o especialista do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), a situação “não vai ser hoje muito diferente” da registada no domingo. “Em relação à temperatura, vai rondar os 38 graus de um modo em geral naqueles distritos. Vamos ter um dia com vento fraco, mas continuamos com alguma instabilidade que gera alguma convexão que pode ter associadas rajadas de vento”, acrescentou.

O mesmo está previsto para todo o território: “De um modo geral o vento é fraco, mas é difícil de prever onde o vento se vai intensificar associado à instabilidade. Vamos também ter condições favoráveis a aguaceiros e trovoadas, principalmente no interior, mas também é difícil prever onde podem ocorrer”

O meteorologista do IPMA explica que o que favorece a propagação dos incêndios é o vento: “A temperatura é muito importante, mas o vento e a humidade relativa têm um grande peso e o vento é difícil de prever no dia de hoje por causa da instabilidade”.

Bruno Café indicou que hoje vamos ter a continuação do tempo quente praticamente em todo o território, prevendo-se apenas uma pequena descida de temperatura máxima nas regiões do interior e no Algarve.

“Vamos ter avisos laranja para os distritos de Braga, Coimbra, Leiria, Santarém, Lisboa e Setúbal, até terça-feira, com excepção de Lisboa e Setúbal que estão apenas no dia de hoje”, passando depois a amarelo.

Mais de 2.150 operacionais combatem seis grandes fogos na região Centro

Mais de 2.150 operacionais, auxiliados por 662 veículos e dez meios aéreos combatiam, às 08:30 de hoje, seis grandes incêndios nos distritos de Leiria, Coimbra, Castelo Branco e Bragança, segundo dados da Protecção Civil.

De acordo com a informação divulgada na página na Internet da Autoridade Nacional da Protecção Civil (ANPC), o maior incêndio localiza-se no concelho de Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, que deflagrou na tarde de sábado, encontrando-se a ser combatido por 1.105 operacionais, 343 viaturas e cinco meios aéreos.

Ainda no distrito de Leiria, o fogo no concelho de Alvaiázere, que deflagrou pelas 20:40 de sábado, continua em curso (incêndio em evolução sem limitação de área) e está a mobilizar 115 bombeiros e 36 veículos.

No distrito de Coimbra, dois grandes fogos estão em curso nos concelhos de Penela e Góis. A situação que envolve mais recursos no terreno verifica-se em Góis, com o fogo que deflagrou pelas 15:00 de sábado e que está a ser combatido por 530 bombeiros, 153 veículos e quatro meios aéreos.

Este incêndio em Góis continua “com duas frentes” activas, mas os meios mobilizados estão a controlar o risco para habitações, disse à agência Lusa, a presidente da autarquia.

O município faz fronteira com Pedrógão Grande e Castanheira de Pera, no distrito de Leiria, e com o concelho da Pampilhosa da Serra, para onde as chamas progrediram, após deflagrarem no sábado, em Fonte Limpa.

No concelho de Penela, o combate ao fogo que lavra desde as 21:15 de sábado envolve 161 operacionais, 52 viaturas e um meio aéreo.

No distrito de Castelo Branco, encontra-se em resolução (incêndio sem perigo de propagação para além do perímetro já atingido) o fogo que lavra desde cerca das 18:10 de sábado no concelho de Oleiros, na freguesia de Orvalho, e que está a combatido por 140 operacionais, auxiliados por 46 viaturas.

Segundo informação da ANPC, também em resolução está o fogo em Vinhais, no distrito de Bragança, que deflagrou pelas 15:00 de domingo e que envolve 103 bombeiros e 32 veículos no combate às chamas. (Diário de Notícias)

DEIXE UMA RESPOSTA