‘Hormona do amor’ leva mães a sacrificarem a vida para proteger os filhos

(© iStock)

A oxitocina, conhecida como a “hormona no amor”, leva as mães a colocar a vida em risco para protegerem os filhos, conclui um estudo da Fundação Champalimaud hoje divulgado.

O estudo, realizado por uma equipa liderada por neurocientistas do Centro Champalimaud, pretendeu perceber o que se passa no cérebro dos pais para estarem sempre dispostos a sacrificar a vida para proteger os filhos.

O objectivo foi “tentar perceber o mecanismo” deste “fenómeno que se observa na natureza em várias espécies”, uma vez que a reacção imediata a uma ameaça costuma ser fugir ou ficar quieto para tentar passar despercebido, disse à agência Lusa a investigadora Marta Moita.

A alteração de comportamento para proteger as crias sugere que “os pais têm que ter um mecanismo qualquer que suprime a sua autodefesa”, adiantou a coordenadora do estudo, publicado na revista ‘Elife’.

“O que os estudos mostram é que se se puser oxitocina na amígdala (região do cérebro relacionada com as emoções) os animais não se imobilizam perante uma ameaça”, o que não se sabia era quais os mecanismos no cérebro que permitiam essa mudança de comportamento e quando entram em ação, disse a neurocientista.

A investigação realizada com ratos fêmeas que tiveram crias recentemente veio dar uma nova pista ao estudar o comportamento de defesa da mãe, tanto na presença como na ausência dos filhos, e testar se o mecanismo de ação da oxitocina na amígdala é necessário para a regulação desse comportamento.

As experiências consistiram em condicionar as mães, sem as crias, e associar um cheiro a mentol a um choque elétrico. Após esta aprendizagem, os animais percebiam o cheiro como uma ameaça e ficavam quietos.

Com o estudo ficou demonstrado que “as mães quando estão em presença das crias suprimem o ‘freezing’ [resposta de ficar quieto] e, que em vez disso, têm outros comportamentos como tentar tapar a fonte do odor que utilizámos, que era a ameaça, tentavam esconder os filhos por baixo do material do ninho, exploravam a caixa provavelmente para localizar a ameaça ou amamentavam e mantinham as crias próximas de si”, contou.

Contudo, quando os cientistas bloquearam a actividade da oxitocina na amígdala das mães, estas, independentemente da idade das crias, passaram a ficar quietas perante o perigo, esquecendo-se do seu “dever” de protecção maternal.

Segundo a investigadora, o estudo fornece um quadro experimental “para estudar quais são os sinais que as crias transmitem à mãe e que levam, em caso de perigo, à libertação de oxitocina” na amígdala da mãe, desencadeando a estratégia de defesa da descendência.

“Sabemos que a comunicação química é muito importante, mas ainda não sabemos quais são os estímulos sensoriais que ativam a oxitocina”, acrescentou.

Questionada pela Lusa sobre se os humanos podem ter mecanismos semelhantes, Marta Moita disse que provavelmente sim.

“Não sabemos, mas é provável porque os elementos” para que isso aconteça estão lá todos, “falta testar”. (Notícias ao Minuto)

por Lusa

DEIXE UMA RESPOSTA