Bolsa de Lisboa abre em queda

(Bruno Simão/Negócios)

O PSI-20 abriu a sessão desta quinta-feira em queda de cerca de meio por cento, com EDP e BCP a penalizarem o principal índice nacional.

A bolsa de Lisboa abriu a sessão desta quinta-feira em queda de 0,57%, depois de ter fechado em alta na sessão de quarta-feira.

O PSI-20 abriu a cair mais de meio por cento, para os 5.285,36 pontos, numa sessão que arrancou com a EDP a cair 2,3% para 3,10 euros. A eléctrica foi arrastada pela queda do sector nos mercados asiáticos, à semelhança do que aconteceu na sessão de quarta-feira nos Estados Unidos, mas também pela redução da recomendação que o Morgan Stanley lhe atribui.

O Morgan Stanley reduziu a recomendação atribuída à EDP, baixando de “overweight” para “equalweight”, ou seja, aconselhando os seus clientes a que a EDP deixe de ter um peso superior às outras cotadas nas suas carteiras e passando a ter um peso idêntico. O preço-alvo esperado para a empresa também foi reduzido de 3,50 para 3,40 euros, ainda assim antecipando um potencial de valorização para a eléctrica.

Os títulos da energia foram, na quarta-feira, penalizados nas bolsas dos Estados Unidos, tendência que se manteve nos mercados asiáticos desta quinta-feira. Este sector está a ser pressionado pela queda dos preços do petróleo, que na quarta-feira chegaram a recuar 3%. Já esta quinta-feira o petróleo continua em queda, mas menos acentuada. O brent está quase inalterado, caindo 0,02%, mas transaccionando abaixo dos 47 dólares em Londres, enquanto o crude em Nova Iorque desvaloriza 0,18%.

Em Lisboa, também o BCP abriu a sessão em queda, de 0,75% para 23,67 cêntimos.

A Mota-Engil é outra das cotadas que arrancou em queda, depois da escalada de quarta-feira de 10,75%, no seguimento do anúncio pela construtora de que tinha garantido uma obra 210 milhões de euros na Guiné e que assinou um contrato em Moçambique. Os analistas destacaram a importância da assinatura deste contrato, uma obra que, no caso de se efectivar, deverá levar a revisões em alta dos preços-alvo. Duas casas de investimento admitem elevar o preço-alvo para 3,50 euros, um valor que está 32% acima da actual cotação. Mas esta quinta-feira, o arranque foi negativo.

Pela positiva, a bolsa de Lisboa arrancou com uma valorização de 1,38% da Novabase, de 1,2% da Teixeira Duarte e de 1,53% da Sonae Capital.

O arranque negativo em Lisboa segue a tendência europeia, com as principais praças do Velho Continente também a abrirem em baixa, depois de na quarta-feira o Dow Jones ter fechado a subir, enquanto o S&P 500 e o Nasdaq fecharam a cair. Como era esperado, a Reserva Federal (Fed) norte-americana anunciou ontem uma subida de 25 pontos base da sua taxa de juro directora, para um intervalo entre 1% e 1,25%, naquele que foi o terceiro aumento desde Dezembro de 2015. (Jornal de Negócios)

por Alexandra Machado e Diogo Cavaleiro

DEIXE UMA RESPOSTA