Transporte por comboio entre Moçambique e África do Sul continua deficiente

(AP)

África do Sul e Moçambique continuam desencontrados no comboio de passageiros que liga os dois vizinhos.

No passado, havia um comboio que facilitava a circulação de pessoas, sobretudo trabalhadores mineiros moçambicanos, entre Moçambique e Joanesburgo.

Hoje, a circulação deste tipo de transporte de massas considerado barato é irregular ou quase inexistente.

O representante da empresa estatal moçambicana dos Caminhos de Ferro na África do Sul, Fernando Mausse, diz que os sul-africanos bloquearam a circulação normal do comboio de passageiros por causa da fragilidade do sistema de migração nos postos fronteiriços

É que, segundo os sul-africanos, muitos moçambicanos aproveitavam a fragilidade do controlo da migração para entrarem na África do Sul de comboio sem documentos legais de viagem.

Do outro lado a justificação é outra: a circulação do comboio foi interrompida por causa da degradação da linha férrea.

Entretanto, de quando em vez o comboio circula com mercadoria na mesma linha férrea e nunca houve descarrilamento.

A circulação irregular de comboio afecta pessoas dos dois países, sobretudo vendedeiras moçambicanas que todos os dias viajam de e para África do Sul com diversos produtos, como mandioca e verduras, para vender em Joanesburgo e Pretoria.

Há duas semanas, o Presidente sul-africano Jacob Zuma lançou um projecto de transporte ferroviário de passageiros avaliado em cerca de 13 mil milhões de dólares norte-americanos para os próximos 20 anos.

O projecto consiste na compra de mais de 200 comboios de passageiros de classe mundial, dos quais 18 produzidos no Brasil já chegaram a África do Sul.

Zuma afirmou que o sistema ferroviários sul-africano com mais de 22 mil quilómetros de linhas ferras fora esquecido desde a sua instalação há 40 anos pelo regime do apartheid.

Hoje os passageiros viajam em condições precárias de transportes menos seguros nas estradas consideradas as melhores do continente africano. (Voa)

DEIXE UMA RESPOSTA